Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightVarejo keyboard_arrow_rightArtigos

Varejo multicanal: como aliar e-commerce, marketplaces e apps

avatar LUCAS HAHN
Lucas Hahnfavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt2
Varejo multicanal: como aliar e-commerce, marketplaces e apps
2 pessoas curtiram esse artigo
Criado em 14 JUL. 2021
text_decreaseformat_color_texttext_increase

A estreita integração entre uma plataforma de e-commerce e soluções de negócios essenciais, como aplicativos e até mesmo a inserção em marketplaces, pode ajudar os varejistas a ter sucesso.


Entendendo o mercado online

Um mercado online (marketplace) é um site de comércio eletrônico, às vezes até um aplicativo, que fornece produtos e serviços a consumidores de empresas externas. A chave para os marketplaces é oferecer estoque de vários fornecedores. O mercado em si não vende seus próprios produtos, mas há exceções como a Amazon e a Magalu. Esse tipo de modelo de negócios permite que você faça compras de muitas fontes diferentes. Todas as transações são processadas pelo proprietário do mercado. 


Para quem são os marketplaces? 

Se você está se perguntando como implementar um mercado online em sua empresa, você veio ao lugar certo. Os marketplaces permitem que você alcance uma ampla gama de clientes rapidamente. Vale a pena considerar esse canal de vendas para produtores que desejam vender seus próprios produtos exclusivos, como roupas, joias e elementos de decoração de interiores. É também uma solução para varejistas que desejam vender produtos de nicho, como lojas de roupas para fãs de rock e objetos para colecionadores. O último grupo que pode se beneficiar com os marketplaces são os varejistas que oferecem produtos a preços mais baixos, como eletrônicos e acessórios esportivos. Os mercados online podem trazer benefícios para diferentes tipos de empresas, incluindo marcas únicas e grandes.

Um marketplace apresenta uma série de produtos que podem ser encontrados em poucos cliques, facilitando a busca do cliente. Quando sua marca faz parte dessa busca, fica mais fácil encontrar seus produtos, o que é extremamente importante em um meio tão amplo como a Internet você ganha mais visibilidade e entra em contato direto com seu público.

Analisando o e-commerce

E-Commerce é um site em que um único fornecedor vende seus produtos / serviços para vários clientes. Como o site pertence ao vendedor, apenas duas partes estão envolvidas no processo de venda: o vendedor e o comprador.

Ao contrário dos marketplaces, que garantem que seus sites sejam sempre robustos e ativos, os sites de e-commerce precisam ser configurados e mantidos pelo vendedor. 

Ao optar por ter seu próprio comércio eletrônico, o gestor tem uma série de fatores para analisar, como o desenvolvimento do site, as regras do negócio, a gestão de fretes e estoques, a realização de investimentos com marketing e diversas outras necessidades.

Vale ressaltar que ambas as opções têm suas vantagens e, portanto, recomenda-se avaliar se vale a pena ter as duas ou se apenas uma vai atender às suas demandas.

A importância de integrar marketplaces e plataformas de comércio eletrônico

Agora que você sabe a diferença entre os dois, entenda por que a integração do marketplace e do e-commerce pode ser tão benéfica para as vendas da sua empresa:

1. Menos preocupações com a infraestrutura do local

Ao decidir pela venda de produtos online, surgem algumas dúvidas em relação à plataforma, usabilidade, pagamento online e logística no e-commerce. Você, varejista, já se perguntou como resolver algum desses problemas? Bem, a resposta mais simples está na integração do e-commerce com os marketplaces.

O bom da integração  é que você não precisa ir a vários sistemas diferentes para gerenciar as vendas. Isso também significa que o gestor não precisa se preocupar em desenvolver toda a logística, uma vez que o marketplace já tem toda a estrutura pronta.

2. Economizando tempo e dinheiro

Promover o nome de sua marca separadamente por meio de vários processos de marketing às vezes pode não ser proveitoso para você. Nesse caso, isso poderia levar a uma enorme perda de receitas e também a perda de tempo. As abordagens básicas para popularizar sua marca não vêm com nenhuma garantia.

É aí que o marketplaces entra em cena. Eles não apenas fornecem uma plataforma maior para construir uma vitrine digital, mas também atraem o tráfego pesado do consumidor. Esta abordagem descomplicada  economiza seu tempo e dinheiro, resultando em vendas massivas.

3. Pode ajudar com SEO para seu e-commerce

A integração com os marketplaces também proporcionará mais visibilidade para sua marca no universo online e, portanto, para o seu e-commerce.

Uma vez que sua empresa aumenta a visibilidade de sua loja online, abre a possibilidade de que a demanda por sua marca também cresça. Dessa forma, sua marca ganha relevância em plataformas de busca, como o Google.

Isso significa um ganho em SEO, uma oportunidade de estruturar a jornada de compra do seu cliente de autoridade da marca no universo online. O resultado disso? Um aumento no número de vendas em plataformas digitais!

4. Facilidade de gerenciamento de vendas online

Uma coisa é certa: as vendas online geram muitos dados hora após hora. O que significa que sem uma boa organização e uma logística eficiente, tudo pode virar uma grande bagunça.

E é por isso que a integração é uma boa opção. Com isso, os gestores podem acompanhar todo o processo, encontrar gargalos nas etapas e resolver tudo rapidamente.

Além disso, a análise dos resultados torna-se muito mais fácil, pois tudo pode ser acessado em um único sistema, de forma simples e prática.

Do bônus ao elemento obrigatório do varejo

Os varejistas buscam desenvolver formas de entregar ao consumidor dois benefícios: conveniência e valor. Embora estejam constantemente tentando se adaptar para sobreviver, nem todas as lojas estão acompanhando os novos desenvolvimentos tecnológicos.


Aplicativos e sites para celular estão, portanto, se tornando importantes ferramentas de marketing (e dispositivos de vendas). Essa nova geração de compradores tem grandes expectativas, períodos curtos de atenção e fornece feedback digital instantâneo por meio da mídia social, e é rapidamente distribuído para um amplo grupo de seguidores.


Muitos varejistas, no entanto, não acompanharam a tendência. Embora tenham um aplicativo para download, o nível de funcionalidade costuma ser baixo. Os aplicativos funcionam mais como catálogos do que como estratégias de varejo. 

Os aplicativos estão evoluindo de um "bônus" leve e de baixa função para um elemento de varejo obrigatório.

Ao desenvolver um aplicativo, lembre-se de que o elemento mais importante é a segurança. A maioria dos compradores online está ciente do perigo de roubo de informações pessoais. Um aplicativo que é conhecido por ter falhas de segurança não só será impopular, como poderá prejudicar toda a marca.


Como uma loja pode garantir que seu aplicativo seja atraente para os consumidores?

Nem todos os aplicativos são iguais e muitos não são tão bons quanto deveriam ser. O principal motivo pelo qual os usuários de smartphones baixam um aplicativo é para maior comodidade. Se o aplicativo torna o ato de comprar mais complicado ou caro e não reflete o comportamento do comprador, ele não possui usabilidade.

Um aplicativo bem projetado ajudará a estimular a compra por impulso, tornando os produtos atraentes e projetando o processo de compra para ser rápido e fácil. Por exemplo, para varejistas de roupas, flexibilidade e alta funcionalidade são a peça-chave. 

O comprador deve ser capaz de pré-encomendar um item fora de estoque, recebê-lo quando estiver de volta no estoque e, se não for adequado, devolvê-lo na loja. A capacidade de verificar o estoque também é crucial. Essa funcionalidade incentiva as compras. Sabendo que restam apenas alguns produtos, o comportamento dos consumidores no ambiente de varejo é bem conhecido: os compradores muitas vezes compram por impulso.

Usabilidade

Os aplicativos são usados para uma ampla variedade de funções. Além de fazer compras, os clientes podem navegar e pesquisar os produtos que estão pensando em comprar.

Os consumidores apreciam a capacidade de vincular cupons e descontos com seu aplicativo ao programa de fidelidade de uma loja. Por exemplo, com muitos aplicativos de restaurante, é possível pagar por meio da plataforma, ganhando recompensas enquanto você come.

Os clientes são alertados quando chega uma nova oferta, o que os incentiva a visitar o restaurante. Isso ajuda tanto o cliente quanto o restaurante. O restaurante obtém mais vendas e informações demográficas sobre o consumidor e, em troca, o cliente recebe descontos e ofertas especiais. 

Os clientes com necessidades específicas também podem usar o aplicativo como um filtro. Por exemplo, um consumidor intolerante à lactose pode filtrar produtos que contenham lactose.

Além disso, ao combinar bônus de fidelidade online e offline, tornando o aplicativo funcional, você pode preencher a lacuna entre o real e o digital.


Gostou? Comente aí!

Um abraço, Lucas.

avatar LUCAS HAHN
Lucas Hahn
Coordenador Estadual de Varejo e Mercado do SEBRAE/PR.favorite_outline Seguir Perfil
capa Varejo
Varejo
people 3850 participantes
Um local criado para oferecer ao EMPRESÁRIO DO VAREJO conteúdos relevantes e atualizados, tendências, cursos e interação com atores do ecossistema, gerando conhecimento e networking.
fixo
Em alta
Canvas de Vendas: uma ferramenta simples, visual e prática para a sua empresa
09 nov. 2021Canvas de Vendas: uma ferramenta simples, visual e prática para a sua empresa
Como a automação industrial impacta nossas vidas
09 ago. 2021Como a automação industrial impacta nossas vidas