Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightDia a dia do Empresáriokeyboard_arrow_rightArtigos

Como a tecnologia remodelará nossa existência

avatar MARINA HELENA MEDEIROS DO AMARAL FERNAO PIRES LEAL
Marina Helena Medeiros Do Amaral Fernao Pires Lealfavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt
Como a tecnologia remodelará nossa existência
Criado em 02 JAN. 2023
text_decreaseformat_color_texttext_increase

Um dia, enquanto participava do webinar de Mark Mekki sobre Design Thinking, entre todos os seus valiosos insights, uma frase em particular me fez pensar:


"A transformação digital tem muito pouco a ver com tecnologia."


Aqueles que, assim como eu, testemunharam os primeiros estágios da informatização no mundo dos negócios na década de 1980, provavelmente concordarão que, apesar de toda a mudança na tecnologia, nada mudou na forma como a colocamos em nossas vidas. 


Aqueles que não, é natural que pensem que muita coisa mudou em nós; como se em algum ponto da história tivéssemos ficado presos em um conceito equivocado sobre o que a tecnologia realmente é.


O sobrevivente

Um ser que projeta o seu mundo


Me pergunto como deve ter sido entrar na Idade da Pedra. De bater e esmagar, a martelar, cortar, limar, moldar e construir, percorremos um longo caminho na evolução. Significa mais poder para lutar pela vida e defendê-la, apenas por refinar o movimento e a precisão, fazendo mais em menos tempo, construindo comunidades, definindo família, estabelecendo território, criando regras, melhorando a comunicação... novos mundos de possibilidades, novas perspectivas. Tudo isso, das pedras!


Mas, foram as pedras que nos mudaram? Bem, eu diria que pedras são pedras. E no que tange à nossa percepção até os dias de hoje elas continuam permanecendo paradas, a menos que algo ou alguém lhes dê um propósito diferente. E ainda assim, não se moverão por isso. Temos que moldá-las, situá-las, aplicá-las.


Até aqui, a tecnologia era sobre moldar a natureza para sobreviver à mesma. Sem mudar nossa própria natureza, transformamos a realidade e remodelamos nossa existência de um ser passivo em um mundo selvagem e indomado, a um ser que projeta o seu mundo.

 


Do poder de domar ao poder de governar

O novo domador era agora um explorador que ousava experimentar tudo, até o poderoso fogo. Com o fogo sob controle, passamos então a extrair da natureza para manipular os elementos e moldar coisas novas subprodutos que nos deram uma sensação de posse e propriedade. 


Uma nova era estava em voga: a Idade do Metal. A primeira e, talvez, maior disrupção de todas, através da qual o mundo nunca mais seria o mesmo. Da mera sobrevivência à indústria e comércio, dos clãs aos reinos... Tudo isso, do fogo!


Mas foi o fogo que nos mudou? Bem, eu diria que fogo será sempre fogo. Ele simplesmente queimará tudo pelo caminho, a menos que algo ou alguém lhe dê um propósito diferente. E mesmo assim, não queimará por isso. Temos que alimentá-lo, situá-lo, contê-lo.


Nessa altura, a tecnologia era sobre transformar o estado da natureza para sobrevivermos uns aos outros. E, de novo, sem mudar nossa própria natureza, transformamos a realidade e remodelamos nossa existência do poder de domar ao poder de governar.



Do poder de governar ao poder de controlar

Por milhares de anos, continuamos explorando e extraindo da natureza em busca de desvendar seus segredos para entender como ela funciona. Daí veio a filosofia, a ciência e o valor da padronização


Com ela, a imitação da natureza, reproduzindo seus sistemas nos mínimos detalhes em larga escala, construindo conhecimento, alcançando outras comunidades e repetindo a fórmula em todos os lugares, apesar das diferenças e contextos locais. 


Escolas, maquinário, vacinação, novos hábitos, imposição de cultura... De reinos a impérios, do manual ao mecânico... Tudo isso, do conhecimento!


Foi o conhecimento que nos mudou? Eu diria que qualquer conhecimento nada criará, a menos que lhe seja dado um propósito, o qual também desconhece. Temos que compartilhá-lo, aprendê-lo, aplicá-lo.


Esse era, então, o ponto em que a tecnologia tratava de recriar a natureza para ir além da sobrevivência. Mais uma vez, sem mudar nossa própria natureza, transformamos a realidade e remodelamos nossa existência do poder de governar ao poder de controlar.



Além da sobrevivência

Do poder de controlar ao controle do poder


Se um sistema nada mais é do que um conjunto de partes interconectadas que, uma vez acionadas por alguma força, a transferem e potencializam para realizar uma determinada tarefa, então os sistemas produzem energia. Era uma questão de conduzi-la. 


Da mecânica à térmica, elétrica, química e nuclear... inventamos trens, luz, linhas de produção, automóveis, aviões, telégrafos, telefones, foguetes a propulsão... Tudo isso, da energia!


Será que a energia nos mudou? Eu diria que a energia não produzirá coisa alguma a menos que algo seja posto em funcionamento, o que significa dar um propósito. Cabe a nós iniciá-la, ajustá-la, preservá-la.


Tecnologia, então, era sobre produzir, independente da natureza. E seguimos sem mudar nossa própria natureza mas, sim, transformamos a realidade e remodelamos nossa existência novamente do poder de controlar ao controle do poder.



De controlar o poder a centralizá-lo

Da elétrica à eletrônica, estávamos agora conduzindo informações. Do telégrafo ao telefone e à televisão, uma nova era entrava em cena: a das Telecomunicações. É aí que entram os meios tradicionais de comunicação de massa, incluindo os livros didáticos. 


Milhões de pessoas ao alcance em suas casas e escolas, um público passivo sujeito a uma programação, dependente dela para se divertir e se informar. Cultura, comportamento, moral, política, tendências, crenças, currículos... agora, além do poder, a informação estava sob controle. Tudo isso, da grande mídia!


Terá a grande mídia nos mudado? Eu diria que, na época, dependia do nosso tempo e espaço, sobre os quais temos total controle. Ela não cumprirá seu propósito a menos que você o permita. Temos que ligá-la, assisti-la, acompanhá-la.


Desta vez, a tecnologia tratava de controlar nossa natureza, sem mudá-la. Transformamos a realidade e remodelamos nossa existência uma vez mais de controlar o poder a centralizá-lo.



Da centralização do poder aos primeiros passos na descentralização

No entanto, a condução da informação passou do analógico ao digital. Em vez de apenas transmitir, passamos a também produzir informações em (e de) um dispositivo, chamado "computador". Logo este computador também estava nas casas e escolas. 


Enquanto as televisões transmitiam informações, os computadores davam acesso a elas. Enquanto aquelas conectavam, estes se interconectavam. Um novo tipo de rede entrava em operação, de "uma só fonte para todos" a "todas as fontes para um só" a Internet. Sem horários. Acesso à informação a qualquer momento. Essa era a Web 1.


Um passo adiante e a novidade eram as mensagens instantâneas. Acesso a informações e pessoas a qualquer momento. Os telefones se tornaram móveis, assim como os computadores. Dois em um. Agora podemos acessar e dar acesso a qualquer tipo de informação texto, áudio, vídeo e pessoas, a qualquer hora e em qualquer lugar.


A rede se tornou social. Somos todos transmissores. De "todas as fontes por um" a "uma fonte por todos". Essa é a Web 2. Aquela que você e eu, e todo mundo, usamos no dia-a-dia.


E a Internet, nos mudou? Eu diria que o que nos diferencia uns dos outros não é a quantidade de informação, mas o que cada um de nós pode fazer com ela. A informação só tem valor quando contribui para a construção do conhecimento. E este só tem valor se for aplicado.


No que diz respeito à interconexão, socializar será o mesmo em qualquer lugar. A menos que interajamos e construamos pontes, ainda estaremos isolados uns dos outros, não importa quão perto estejamos fisicamente ou o quanto a Internet nos possa aproximar.


Nesta fase, a tecnologia trata de transpor os limites da natureza. Ainda assim, sem mudar nossa própria natureza, transformamos a realidade em virtualidade, remodelando nossa existência da centralização do poder aos primeiros passos na descentralização.


E agora?

De gastar tempo para ganhar a vida a ganhar tempo para vivê-la


Como disse o filósofo Merleau-Ponty segundo meu entendimento sobre a fenomenologia da percepção, tudo que é real existe, mas nem tudo que existe é real. Por exemplo, há um relógio acima da porta do lado de dentro de uma sala. Quando você entra, o relógio está atrás de você. O relógio existe, mas até que você o veja, não é real. 


Assim, a realidade depende da percepção. E a virtualidade também, com uma diferença: ela não existe no espaço; mas no tempo, ou não seria perceptível. Por isso dizemos que a música é "a arte virtual"


Ela só existe e só pode ser percebida durante a execução. O tempo é sua própria estrutura. E o som nada mais é do que a própria percepção. Ao decodificar a música, entre os ouvidos externos e o cérebro transformamos a energia para conduzi-la; do movimento das partículas de ar à vibração, depois hidráulica, elétrica e, finalmente, informação. Soa familiar?


Enquanto isso, conectamos mecânica, eletrônica e analógica. E quando as colocamos para trabalhar para um mesmo fim, estamos juntando sistemas, energia e informação. Estamos recriando a natureza para transpor seus próprios limites com o propósito de produzir independentemente dela, usando o poder do controle. Isso é robótica. 


Produz muito mais do que a natureza jamais produzirá. Tão poderosa e semelhante a nós mesmos que tememos nossa própria invenção.


Mas, e os robôs, podem nos mudar? Bem, eu diria que robôs serão robôs, enquanto tiverem o poder de controlar, mas não o controle do poder. Temos que construí-los, programá-los, ativá-los.


Esse é um estágio contínuo, em que a tecnologia é sobre superar a natureza. E nem mesmo nesse ponto foi necessário mudar nossa própria natureza, embora isso também mude nossa realidade e remodele nossa existência de gastar tempo para ganhar a vida a ganhar tempo para vivê-la.



Criando novas percepções

Continuamos na busca. Na Web 2, ainda não possuímos nada; nem mesmo nosso "próprio" nome de domínio. Tudo é controlado, e alugado de alguma entidade. Inclusive a nova robótica digital. 


Agora, o novo limiar a ser cruzado vem como Web 3 um nível completamente novo de descentralização do poder. Gosto da definição de Somi Arian. Ela diz que a Web 1 é ler, a Web 2 é ler e escrever e a Web 3 é ler, escrever e possuir uma definição simples e eficaz. 


Graças à tecnologia blockchain, contratos inteligentes e tokens, praticamente qualquer pessoa pode criar e negociar sua própria moeda e seus próprios bens virtuais. 


Finanças, propriedade, mídia... todos entram no mesmo caminho, que exige que os tradicionais controladores passem a provedores de poder (não mais de controle, energia ou informação). 


Graças às realidades aumentada, virtual, estendida e mista, existe um espaço virtual para esses bens, o metaverso, que faz uma ponte entre duas realidades. 


Aqui criamos novas percepções, portanto, um novo desafio está lançado: a era da Ciência de Dados Big Data, Cloud Computing (Computação na Nuvem), RPA (Automação Robótica Digital de Processos), Inteligência Artificial, Machine Learning, IoT (Internet das Coisas), Blockchain... 


Estaremos mais propensos a confundir as realidades, ou seremos inteligentes o suficiente para, novamente, aplicá-las na remodelação da nossa existência? Por exemplo, se adicionarmos dois braços extras ao nosso avatar no metaverso, e operarmos com sucesso os quatro braços no espaço virtual. 


Os dois extras começarão a existir em nosso cérebro, fazendo com que sintamos falta deles fisicamente. Mas esse mesmo princípio também nos permitirá levar o nosso cérebro a fazer funcionar partes ou tarefas que estejam deficientes em nosso corpo entre tantas outras possibilidades. Tudo isso, da percepção!


O metaverso vai nos mudar, então? Eu diria que qualquer realidade é uma questão de percepção, que podemos usar para remodelar nossa existência. Desde a Idade da Pedra, temos "trans-formado" a realidade. Mudamos o mundo quando mudamos a percepção e reatribuímos um propósito.



O fator de mudança

Hoje, a tecnologia trata de expandir a realidade, onde podemos ser lá, e nos tornarmos aqui, sem mudar nossa própria natureza, sobre a qual há muito a desvendar e provavelmente nada a ser mudado, afinal. 


Desde domar, governar, controlar e transpor os limites da natureza, até superá-la, tudo o que fizemos foi mudar a percepção e, assim, a nossa forma de existir. A razão pela qual a própria natureza não nos mudará é que, ao fazemos parte dela, a percepção é a nossa natureza própria; o nosso poder. 


A razão pela qual a tecnologia também não o fará, é que, se somos o fator de mudança, a tecnologia é parte de nós. Sobrevivemos contra todas as probabilidades, os lugares mais altos, mais baixos, mais quentes e mais frios da Terra, simplesmente fazendo deles um meio de vida, dando-lhes um propósito. Não somos os mais fortes, os maiores, os mais altos ou os mais rápidos.


Mas somos a única criatura que conhecemos à qual foi dado O Poder De Mudar.


Empresas também são fatores de mudança, porque são feitas de pessoas e porque têm papel fundamental na dinâmica da sociedade e, por consequência, na realidade de cada um. 


Por isso, o processo de transformação digital não é apenas uma decisão do empresário, e sim uma cultura a ser adotada e cultivada na empresa como um todo.


Refletir o que a sua equipe tem sido para a sua empresa;  Engrenagem ou motor? É paga para gastar tempo produzindo, ou para otimizar tempo e produção para gerar lucro? é o marco zero para uma transformação digital bem sucedida, que é alcançar todo o seu benefício. 


A tecnologia não faz milagres e não mudará a sua empresa, pode até aumentar os problemas se for mal empregada. São as pessoas que fazem o milagre, utilizando a tecnologia com percepção e perspectiva, para transformar a realidade da empresa e remodelá-la como negócio.

---

Este é o primeiro de uma série de artigos que explorarão de forma prática, o passo a passo de uma transformação digital de sucesso. Fique atento.

---


Leituras recomendadas

Livro: O Visível e o Invisível, Maurice Merleau-Ponty

avatar MARINA HELENA MEDEIROS DO AMARAL FERNAO PIRES LEAL
Marina Helena Medeiros Do Amaral Fernao Pires Leal
Fundadora da LEALTIC | Educadora e Desenvolvedora em Transformação Digital para o Turismo, Educação, Agro e outros ramos | Especialista em Gestão de Produtos Turísticos de Nicho. Com 35 anos de experiência em Transformação Digital, empreende no ramo há 17 anos, tendo idealizado e lançado uma das primeiras plataformas de Educação à Distância para cursos livres no Brasil em 2007. Mestre em Educação, com pós-graduação em Neuropsicologia para Educadores, e formação em Administração, Musicoterapia, Web Design e Programação SQL Server, PHP, Python, Power BI, Power Automate, Google Cloud, Google Workspace, Microsoft 365, e afins aplicados à Automação Digital e Ciência de Dados. Entusiasta e estudante de tecnologias Web 3.0. Membro do Google Women Techmakers. Depois de 14 anos servindo exclusivamente aos bastidores de um grupo empresarial, estou recolocando a empresa no mercado para ajudar micro e pequenas empresas, empreendedores individuais e produtores rurais, a crescerem em eficiência e produtividade, através da automação digital.favorite_outline Seguir Perfil
capa Dia a dia do Empresário
Dia a dia do Empresário
people 749 participantes
Comunidade digital que reúne conteúdo prático sobre o DIA A DIA DO EMPRESÁRIO de Micro e Pequena Empresa.
fixo
Em alta
4 pequenos negócios rurais lucrativos para 2023
14 dez. 20224 pequenos negócios rurais lucrativos para 2023
Guarulhos se destaca na geração de empregos no Brasil
03 nov. 2023Guarulhos se destaca na geração de empregos no Brasil
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?