Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightNovos Negócioskeyboard_arrow_rightArtigos

Tipos de tributação

avatar PATRICIA FERNANDES VALENTE SANTINI
Patricia Fernandes Valente Santinifavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt1
Tipos de tributação
1 pessoa curtiu esse artigo
Criado em 24 JAN. 2023
text_decreaseformat_color_texttext_increase

No Brasil, colocar qualquer tipo de empresa em prática exige a criação de um CNPJ ou Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica, que funciona como um CPF da sua empresa. Porém, por se tratar de um negócio real, é preciso manter o CNPJ ativo através de um regime de tributação. Trata-se de um sistema que estabelece a cobrança de impostos de cada empresa de acordo com diversos critérios, como o faturamento, o tipo e o porte da empresa. 


Nesse sentido, o planejamento tributário é diferente da formalização de um negócio, apesar de as duas coisas caminharem juntas. Formalizar uma empresa é o mesmo que criar um registro da sua atividade econômica, para manter seu negócio regular perante os órgãos públicos e para obter melhores negócios com fornecedores e linhas de crédito. 


A formalização é, basicamente, o primeiro passo é a condição essencial para você regularizar seu negócio e pagar os tributos que lhe são devidos. Ou seja: sem formalização do seu negócio, nada de planejamento tributário e, sem pagamento dos impostos, dívidas e juros enormes vão tirar seu sono. Para os pequenos e médios negócios, existem 5 tipos principais de formalização: MEI (Microempreendedor individual), ME (Microempresa), Empresa de pequeno porte, Associação e Cooperativa.  


  • MEI: classificação adotada para negócios com faturamento de até R$ 81.000 por ano (ou R$ 6.750 por mês), que contam com apenas um empregado e cujo dono(a) não pode ser dono ou sócio de outra empresa;


  • ME: O dono da empresa se torna responsável por eventuais dívidas da empresa. É permitido faturamento máximo de R$ 360 mil ao ano e, no máximo, um sócio. No comércio, são permitidos até 9 funcionários e na indústria, até 19. 


  • Empresa de pequeno porte: empreendimento com faturamento bruto anual entre R$ R$ 360 mil e R$ 3,6 milhões. No comércio, são permitidos entre 10 a 49 funcionários. Já na indústria, o limite são 20 a 99 funcionários.


  • Associação: qualquer organização sem fins lucrativos que une pessoas físicas (CPF) ou jurídicas (CNPJ) em prol de um objetivo mútuo, que pode ser filantrópico, social, econômico, político ou empresarial.


  • Cooperativa: organização formada por membros de determinado grupo econômico ou social que objetiva desempenhar uma atividade específica, geralmente relacionada a cooperativas de crédito. O cooperativismo tem como premissas identidade de propósitos e interesses, ação conjunta, voluntária e objetiva para coordenação de contribuição e serviços e obtenção de resultado útil e comum a todos.



No Brasil, existem três tipos principais de regime tributário: Simples Nacional, MEI, Lucro Presumido e Lucro Real. Basicamente, o que muda entre eles são a forma como os impostos são calculados, a maneira como os tributos são recolhidos, para quem os impostos devem ser pagos e as limitações e obrigações em geral. 


  • Simples Nacional: é um dos tipos de tributação mais simples, pois reúne todos os impostos no DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional) e possui uma das menores taxas. É indicado para empresas MEI, Empresas de Pequeno Porte (EPP) e Microempresas (ME). 


Entre suas vantagens, oferece a unificação de 8 impostos em uma única guia: IRPJ, CSLL, PIS/PASEP, Cofins, IPI, ICMS, ISS e CPP. Permite o parcelamento dos débitos e possui um dos menores impostos, geralmente começando em 6%. Além disso, é permitido ter sócios e até mesmo outra empresa, desde que a receita bruta total delas não ultrapasse R $4,8 milhões por ano. 


As desvantagens desse tipo de tributação incluem a impossibilidade do Simples Nacional ser sócia de outra e problemas fiscais caso atrase o pagamento dos tributos, podendo ser excluído do regime e não poderá distribuir lucros.


  • MEI: Embora o MEI faça parte do sistema Simples Nacional, suas características são distintas. Esse regime é voltado para autônomos que decidiram formalizar o seu trabalho e possuem uma receita bruta, em média, de R$5 mil por mês. Esse tipo de tributação oferece diversas vantagens, como a possibilidade de emitir notas fiscais, acesso a linhas de crédito e ou benefícios do INSS (como auxílio-doença e auxílio-maternidade) e pagamento do imposto por meio do DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional) no valor aproximado de R$50 por mês. 


Porém, as desvantagens incluem o fato de que o faturamento anual não pode ultrapassar R$81 mil, não são permitidos sócios e pode-se contratar apenas um funcionário.


  • Lucro Presumido: esse tipo de tributação é voltado para empresas com uma receita bruta acima de R$3,6 milhões e até R$78 milhões por ano. Ela enquadra uma gama mais amplas de atividades do que o modelo Simples Nacional, e permite outra outra empresa participante do negócio. 


Porém, envolve diversas contrapartidas: as alíquotas dos impostos são altas, e variam de 8% a 32% de acordo com a atividade exercida. Além disso, o recolhimento dos tributos acontece trimestralmente, ou seja, em março, junho, setembro e dezembro de cada ano. Em caso de atraso no pagamento dos tributos, fica vetada a distribuição de lucros da empresa. Por isso, devido às altas taxas, o Lucro Presumido só se torna mais vantajoso caso o faturamento da empresa ultrapasse o limite estabelecido pelo Simples Nacional;


  • Lucro Real: como o próprio nome indica, os tributos são calculados com base no lucro real da empresa. Por isso, esse sistema só se aplica para empresas que faturam mais de R$78 milhões por ano ou que não podem fazer parte dos outros regimes tributários, como corretoras, bancos e seguradoras.


Como esse tipo de tributação é voltado para grandes empresas, apresenta desvantagens como fiscalização mais rígida, a obrigação de apresentar à Receita Federal diversas declarações e controles e o cálculo dos tributos diretamente sobre o lucro, incluindo ajustes, adições, exclusões e compensações previstos na legislação.


Por isso, ao criar qualquer negócio, é preciso analisar com seu contador e compreender qual é o modelo mais vantajoso para sua empresa. Por tratar de fatores contábil e tributário, essa escolha vai afetar diretamente os ganhos e o crescimento do seu negócio.

Faça sua escolha com cuidado e atenção para pagar os impostos que lhe são devidos. Para a sua empresa crescer, acesse nosso portal e caso necessite de atendimento com profissionais especialistas, basta solicitar pelo site ou WhatsApp.


Um abraço, 

Patricia Santini / @paty_santini

avatar PATRICIA FERNANDES VALENTE SANTINI
Patricia Fernandes Valente Santini
Tentar, aprender e tentar novamente.... Esse é o lema que rege minha vida! Gestora de Projetos Especialista em Gestão de Micro e Pequenas Empresasfavorite_outline Seguir Perfil
capa Novos Negócios
Novos Negócios
people 5229 participantes
Um espaço aberto para trocas de experiências sobre novos negócios. Se você já tem uma ideia de negócio, ou ainda não sabe por onde começar, este é o lugar certo! Aqui, você encontra conteúdos para te ajudar a ter sucesso nesta jornada empreendedora ¿¿
fixo
Em alta
Sebrae Em Dados - Mercado de Produtos Naturais no Brasil
16 ago. 2022Sebrae Em Dados - Mercado de Produtos Naturais no Brasil
Sebrae em Dados - Salões de Beleza
15 out. 2022Sebrae em Dados - Salões de Beleza
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?