Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightDo Campo à Mesakeyboard_arrow_rightArtigos

Qual o sabor da sua marca?

avatar KATALIN STAMMER
Katalin Stammerfavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt
Qual o sabor da sua marca?
Criado em 26 MAR. 2021
text_decreaseformat_color_texttext_increase

 Se sua marca fosse uma comida, que gosto ela teria? Doce, salgado, azedo, amargo, umami? Que explosão de sabor representaria a emoção do seu cliente em relação a sua marca? Você já pensou em coordenar ações olfativas e gastronômicas procurando impactar seu cliente?

Não é toa que entre os sensores humanos mais estudados nos últimos tempos pelos neurocientistas estejam o sistema olfato/paladar. Quanto mais se aprofundam as pesquisas, mais entendemos a importância deles. Sim, são sensores diferentes, porém trabalham de forma tão combinada que é praticamente impossível desvincular um do outro!

O olfato é considerado um dos nossos sensores mais rápidos na captação dos sinais, em poucos milésimos de segundos somos capazes de identificar a chegada de um aroma, cheiro, odor. E essa sensação faz leitura quase simultaneamente ao cérebro nos alertando do que está acontecendo. Bom ou ruim é nosso instinto de sobrevivência falando de forma direta ao nosso corpo através dessa linguagem. Problemas relacionados ao olfato, podem gerar sérios distúrbios mentais, psicológicos entre muitos outros desdobramentos sendo considerado fator relevante dentro da ciência para compreender o sistema neurológico humano.

O fato de gostarmos ou não de sinais olfativos de objetos, situações, pessoas ou comidas nos gera imediatamente uma percepção e consequentemente reações emocionais e físicas que fazem com que mudemos nossas posturas, atitudes e hormônios.

Diferentemente do que costumamos imaginar, ingerimos alimentos quase mais pelo olfato do que pelo paladar. O que nos abre o apetite é essa combinação única gerada pelos cheiros emanados nos alimentos, que nos despertam as mais diversas memórias! Muitas delas afetivas, como por exemplo a cena do filme de desenho animado Ratatouille produzido pela Pixar em 2007, onde o crítico de gastronomia relembra a infância à dar a primeira garfada no prato que sua mãe costumava servir quando era pequeno. Ou as memórias tão famosas das madeleines citadas na obra literária No Caminho de Swann de Marcel Proust.

Isso é tão forte, que empresas pelo mundo inteiro, mesmo as que não comercializam alimentos, estão associando o gosto à experiência do cliente. Isso tem acontecido com cada vez mais intensidade devido ao fato que o sabor associado ficar tão marcado nos clientes que  gera vínculos praticamente indissolúveis independente da experiência em outros setores da marca.

Muitos cases já são bem conhecidos, como por exemplo, as construtoras que quando estão com seus apartamentos decorados à venda, procuram aromatizar com cheiros familiares como tortas de maçã ou pães saindo do forno, ou ainda, lojas que aproveitam a visita do cliente para servir bolos e chás de receita exclusiva, para gerar esse vínculo emocional e aproximar o cliente daquela posterior passadinha sem compromisso para degustar as delicias e aproveitar para ver as novidades (conseguir que o cliente retorne de maneira espontânea é um grande desafio mundial atualmente).

Foto 1 - Post espontâneo em redes sociais de cliente gerados à partir de experiência gastronômicas associada à serviços ofertados. Canecas personalizadas que transmitem valores da empresa em relação à sustentabilidade e sensação de pertencimento. Frutas da estação de fornecedores locais e bolachas fabricadas por empresa parceira do bairro com sabores customizados para cada turma fidelizam o retorno. Chás, cafés e aguás saborizadas acompanham conforme o clima da estação.

 

Além de situações como essas, também são comumente utilizadas por muitas marcas as famosas balas customizadas que recebem a logomarca da empresa na embalagem e tem seleção especial de sabores. Nessa categoria ainda entram outras embalagens de alimentos associadas à presentes de final de ano e datas comemorativas, como por exemplo aniversários e promoções. Nesse caso aparecem como solução também produtos alimentícios locais e regionais; que representem o contexto da empresa. Bebidas, mel, compotas, chás, cafés e muitas outras boas ideias!

As soluções são as mais variadas e atingem em cheio o anseio do cliente de consumir a marca nas mais diversas formas e experiências. Para isso sua empresa não precisa se tornar uma empresa de alimentos, basta que numa parceria estratégica estenda as ações com inovação! Aproveite o momento de atendimento híbrido (on-line e presencial) para pensar sobre isso e inclusive fazer talvez, com que seu cliente conheça o sabor que sua marca tem!

Consulte as soluções de projeto de Design Sensorial disponíveis no site do Sebrae/PR, projeto SEBRAETEC, que poderá oferecer até 70% de subsídio no custo do projeto para você!

 

avatar KATALIN STAMMER
Katalin Stammer
Arquiteta, urbanista, designer, diretora da Escola Curitibana de Design e diretora criativa do Katalin Stammer Arquitetura e Design. Possui experincia na rea de projetos de interiores com foco em design sensorial, estratgia corporativa e inovao.favorite_outline Seguir Perfil
capa Do Campo à Mesa
Do Campo à Mesa
people 1635 participantes
Você produtor, empresário, técnico e curioso do setor de agronegócios, alimentos e bebidas é nosso convidado especial para fazer parte desse espaço para quem busca conhecimentos sobre tecnologias, inovações, tendências, legislações, ou seja, novidades para o setor/segmento de agronegócios/alimentos e bebidas. Participe! Acesse, escreva e compartilhe artigos, entrevistas, vídeos e orientações.
fixo
Em alta
Dispara pedido de recuperação judicial por produtor rural
07 fev. 2024Dispara pedido de recuperação judicial por produtor rural
Como o ERP pode ajudar no setor de alimentos
29 mar. 2023Como o ERP pode ajudar no setor de alimentos
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?