Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightVarejo keyboard_arrow_rightArtigos

Processo de compras internacionais: pontos de atenção para negociar com fornecedores

avatar VINICIUS ALVES MARQUES
Vinicius Alves Marquesfavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt
Processo de compras internacionais: pontos de atenção para negociar com fornecedores
Criado em 30 MAI. 2022
text_decreaseformat_color_texttext_increase

O mercado asiático é um atrativo para muitas empresas independente do segmento e que procuram produtos de qualidade com preço justo e variedade de opções. 


Conhecer o processo de negociação, compras e importação, relacionar-se com os fornecedores chineses é fundamental. 


Por isso, vamos apontar neste texto um panorama para compradores que desejam fazer ou até já fazem negócios internacionais, mas com ênfase no mercado chinês.


Vamos apresentar algumas dicas para negociar com fornecedores chineses e pontuar como funciona o BPO em compras internacionais.

1. Como funciona o processo de compras internacional e importação

O processo de importação é o conjunto de trâmites necessários para a compra de um bem de um país estrangeiro. É uma transação de comércio exterior comum entre governos e entre pessoas físicas ou jurídicas.


Antes de tudo, você precisará entender as fases do processo de importação:

  • Fase administrativa (licenciamento): procedimentos e exigências de órgãos governamentais prévios à efetivação da importação. 

  • Fase fiscal: tratamento aduaneiro, que ocorre por meio do despacho de importação, com análise de dados e recolhimento de tributos.

  • Fase cambial: operação de compra de moeda estrangeira para pagar as importações.


Depois que compreender que o processo de compra é conectado com o de importação é importante saber a viabilidade do processo, conhecer os melhores fornecedores, os produtos de qualidade e tudo aquilo pertinente a uma boa compra.


Quer entender melhor o processo de importação passo a passo? Veja a seguir:


1ª etapa

Você deve verificar no SISCOMEX o tratamento administrativo para a operação que pretende realizar, que pode ou não estar sujeita a algum tipo de tratamento especial e licenciamento.


2ª etapa

Primeira hipótese: se a operação não estiver sujeita a licenciamento, você aciona seu fornecedor para embarcar a mercadoria no exterior.


Segunda hipótese: se a operação demandar licenciamento, o importador deve registrar a solicitação de Licença de Importação no SISCOMEX e esperar a análise do pedido e o deferimento da licença pelos órgãos anuentes, quando então poderá embarcar a mercadoria no exterior.


Se os órgãos anuentes não deferirem a licença, eles esperarão o aviso de chegada da mercadoria para inspecioná-la na Zona Primária e então deferir a licença pendente;


3ª etapa

Após ser embarcada, a mercadoria é transportada até o porto de destino no Brasil, e o transportador informa a Receita Federal sobre sua chegada.


4ª etapa

A mercadoria é descarregada e enviada ao recinto alfandegado, e o depositário informa a disponibilidade da mercadoria para a Receita Federal.


5ª etapa

Primeira hipótese: se for um produto sujeito à inspeção de ANVISA ou MAPA, o importador solicita aos órgãos de controle a fiscalização da mercadoria no recinto alfandegado. Os órgãos a inspecionam e deferem a licença. O importador poderá, então, registrar a Declaração de Importação (DI), recolher os tributos e encaminhar os documentos à Receita.


Segunda hipótese: se for um produto que não está sujeito à inspeção de ANVISA ou MAPA, o importador já poderá registrar a DI, recolher os tributos e encaminhar os documentos à Receita.


6ª etapa

No recinto alfandegado, a Receita seleciona a DI e procede à conferência aduaneira. Se tudo estiver correto, ocorre o desembaraço aduaneiro. Por fim, o depositário consulta no SISCOMEX a autorização da Receita, verifica os documentos e o recolhimento de ICMS e AFRMM (quando aplicável) e libera mercadoria.

2. Dicas para negociar com fornecedores chineses

Um dos pontos mais importantes ao aprender como fazer a gestão de compras na China é saber escolher e negociar com fornecedores chineses. Afinal, eles devem apresentar produtos de qualidade, preços competitivos e experiência com o processo de importação de produtos.


Para escolher seus fornecedores chineses, veja algumas dicas:

  • Monte uma lista de possíveis fornecedores dentro dos seus padrões de qualidade a partir de uma pesquisa na internet ou uma consultoria especializada, sempre se baseando no scorecard padrão da sua empresa;

  • Questione os fornecedores escolhidos sobre a experiência no ramo, o processo fabril, as matérias primas utilizadas e a forma de comunicação;

  • Peça informações sobre seu produto, como quantidade mínima para o processo de importação, prazo para produção, valores e formas de envio, opções de amostra e etc. 

  • Verifique as certificações e classificações, pois fabricantes respeitáveis possuem esses atestados de qualidade e reputação no negócio e SEMPRE faça auditoria nas fábricas para seguir o compliance da sua empresa e garantir a idoneidade do fornecedor.


Agora que você já possui uma lista de possibilidades, chegou a hora de negociar

O primeiro passo é estar preparado para negociar quantidades mínimas (MOQ) de acordo com a média do setor. Isso é importante, porque o fornecedor pode recusar seu pedido ou colocar um valor acima da média se você negocia abaixo de tais quantidades. 


E lembre-se, na Ásia, as negociações são de longo prazo, não tente se basear na melhor oportunidade para a primeira compra, mas em um processo duradouro com o fornecedor.


Em seguida, você deve buscar as melhores condições de preços e pagamentos. Para tanto, será preciso colocar suas habilidades de negociação em prática. Isso implica conhecer bem o mercado chinês, a região, a cultura e os costumes dos fornecedores. Se você tiver um especialista localizado na China, as chances de êxito são ainda maiores.


Depois de definidas tais condições, não se esqueça de algo importante antes de fechar o negócio: solicitar amostras e modelos de contrato!


Contratar uma consultoria ou ter um time presente na região para escolher e negociar com os fornecedores chineses pode ser muito interessante para sua transação. Dessa forma, você garante as melhores práticas de acordo com os costumes do exportador, o que aumenta as suas chances de fazer um bom negócio na importação de produtos. 

3. BPO em compras internacionais

Por fim, após entender como importar da China, o empresário deve conhecer as possibilidades de facilitar o processo de importação. Por ser uma transação complexa, é comum que os erros aconteçam, especialmente para quem não tem experiência.


Neste sentido, o Business Process Outsourcing (BPO) ou a delegação dos processos de um negócio aparece como solução interessante. Esse outsourcing de compras, na importação, nada mais é do que delegar para uma empresa especializada o processo de compras internacionais e garantir fluidez com o departamento de compras da sua empresa no Brasil.


O departamento de compras é uma área estratégica, que comunica com o coração do negócio, e por isso deve ser pensada com o máximo de cuidado. Por isso, o prestador do serviço de outsourcing de compras internacionais deve ter muito conhecimento da operação.


E você tem mais alguma dúvida?

avatar VINICIUS ALVES MARQUES
Vinicius Alves Marques
favorite_outline Seguir Perfil
capa Varejo
Varejo
people 3860 participantes
Um local criado para oferecer ao EMPRESÁRIO DO VAREJO conteúdos relevantes e atualizados, tendências, cursos e interação com atores do ecossistema, gerando conhecimento e networking.
fixo
Em alta
Canvas de Vendas: uma ferramenta simples, visual e prática para a sua empresa
09 nov. 2021Canvas de Vendas: uma ferramenta simples, visual e prática para a sua empresa
Como a automação industrial impacta nossas vidas
09 ago. 2021Como a automação industrial impacta nossas vidas
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?