Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightNovos Negócioskeyboard_arrow_rightArtigos

Panorama do setor de marketplace: tendências e oportunidades

avatar PATRICIA FERNANDES VALENTE SANTINI
Patricia Fernandes Valente Santinifavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt3
Panorama do setor de marketplace: tendências e oportunidades
3 pessoas curtiram esse artigo
Criado em 31 JAN. 2023
text_decreaseformat_color_texttext_increase


Os marketplaces são o futuro do e-commerce no Brasil. Segundo pesquisa da CupomValido, o mercado de compras online brasileiro crescerá 20,73% a cada doze meses entre 2022 e 2025. Essa expectativa de crescimento é quase duas vezes maior que a média mundial de 11,35%.


Na prática, os marketplaces facilitam o contato entre lojistas e clientes de todos os cantos do país através da internet. Por isso, a maioria das empresas já existentes está migrando para o meio digital, assim como novos negócios estão abandonando os espaços físicos e focando apenas na internet.


A seguir, você vai entender um pouco mais sobre as características e vantagens do setor de marketplace, bem como as principais tendências e oportunidades que podem ser exploradas nesse setor.



Marketplaces: o que são


Marketplace é um termo que, traduzido para o português, significa "mercado". Nesse sentido, os marketplaces são mercados on-line, ou seja, focam na compra e venda de produtos através da internet.


Você pode até achar o termo esquisito, mas certamente já fez pelo menos uma compra através dos marketplaces brasileiros consolidados no mercado, como Mercado Livre e Magazine Luiza. Internacionalmente, temos a Amazon e a Shopee como exemplos.


Embora os marketplaces sejam famosos por trazerem diversas categorias de produtos no mesmo website, existem também plataformas especializadas em nichos, como o Elo7 (Artesanato), Dafiti (Roupas e Calçados) e a MadeiraMadeira (Casa e Decoração).



Marketplaces: como funcionam


Os marketplaces funcionam como shoppings virtuais, pois servem como uma grande plataforma de divulgação para que as lojas parceiras mostrem suas ofertas aos clientes. Assim como os shoppings, os marketplaces possuem diversas lojas, produtos de diversas categorias e faixas de preço, um alto volume de clientes e públicos consumidores de diversos tipos.


Além disso, a distribuição das lojas também segue a mesma lógica de um shopping. As marcas com alta reputação ganham destaque nos marketplaces, assim como as lojas mais famosas de um shopping costumam se localizar logo na entrada, por exemplo.

Por isso, é importante que as lojas parceiras invistam em manter o contato e o nível de satisfação de seus clientes, oferecendo produtos atraentes e um serviço de entrega ágil, seguro e eficiente.



Tendências do mercado



Segundo pesquisa do Olist, os 10 sites mais relevantes em visitas e engajamento no Brasil durante o primeiro semestre de 2020 são apenas marketplaces, tendo como destaques Mercado Livre, Americanas e OLX. Embora o crescimento exponencial do comércio on-line tenha acontecido durante a pandemia de Covid-19, essa tendência veio para ficar, pois a expectativa de crescimento desse ramo de negócio no Brasil é quase duas vezes maior que a média mundial.


Os marketplaces não cresceram apenas no engajamento virtual, mas também no faturamento. Entre 2019 e 2020, eles movimentaram R$ 73 bilhões, segundo dados da Ebit|Nielsen e Bexs. 

Outros indicadores positivos a respeito do crescimento das marketplaces é o crescimento de 38% no volume de vendas, passando de 107,4 milhões para 148,6 milhões entre 2019 e 2020. Além disso, o valor médio dos pedidos, por sua vez, chegou a R$ 493 em 2020, crescendo 10% em relação a 2019.

De forma geral, a pesquisa do Olist comprova que a venda em marketplaces é uma estratégia consolidada no mercado, pois 70% das lojas participantes do estudo já anunciam em grandes marketplaces e 26% pretendem anunciar em breve. Além disso, 67% das lojas que vendem em marketplaces já o fazem há um período entre um ano e mais de cinco anos, reforçando a credibilidade e rentabilidade do modelo de negócios.



Marketplace X e-commerce



Na prática, o e-commerce é uma loja virtual de uma marca específica, enquanto o marketplace é um canal externo no qual marcas divulgam seus produtos. Enquanto o e-commerce pode ser comparado a uma loja comum, o marketplace se assemelha mais a um shopping. Porém, ambos trabalham virtualmente.


Isso significa que, no e-commerce, os lojistas têm total autonomia para personalizar sua comunicação, layout e ações promocionais. Porém, essa autonomia também pode exigir um alto investimento, pois as lojas se tornam autônomas nas estratégias de atração de clientes e otimização da jornada de compra.


No caso do marketplace, as lojas apenas anunciam seus produtos, enquanto a própria plataforma cuida de toda a divulgação e questões técnicas para as lojas, em troca do pagamento de uma comissão específica, que varia de acordo com cada marketplace. Com isso, os lojistas ganham velocidade, pois conseguem focar apenas em ter competitividade de preço, estoque e operação logística.


O vínculo com marketplaces, por sua vez, também contribui para a evolução logística das lojas parceiras. Segundo estudo do Olist, 61% dos lojistas investem em outros serviços de entrega além dos Correios, como as transportadoras e serviços privados Jadlog (47%), Mercado Envios (31%) e B2W Envios (30%).



Principais marketplaces no Brasil


Segundo a pesquisa do Olist, o marketplace utilizado por mais de 80% dos consumidores no Brasil é o Mercado Livre. Os números de usuários provam o crescimento da plataforma, que conta com mais de 300 milhões de usuários ativos, 200 milhões de ofertas diárias e 10 vendas a cada segundo.


Em seguida, o destaque é o Grupo B2W, utilizado por 72% dos lojistas. O grupo inclui os sites da Americanas, Submarino e Shoptime.


Outros marketplaces que se destacaram nos últimos anos foram a Amazon e o Magazine Luiza, utilizadas por 17,5% e 13% dos consumidores, respectivamente, entre 2018 e 2019.


Para começar a anunciar seus produtos em um marketplace, o olist pode ser uma boa solução, pois trata-se de uma mediadora de vendas para os pequenos negócios. Na prática, o Olist divulga os produtos de lojas parceiras na loja Olist, que tem alta reputação nos principais marketplaces do Brasil e, portanto, pode ajudar seus anúncios a ficarem em destaque nos marketplaces. 


Com isso, suas chances de ter mais clientes aumentam, pois é provável que seus produtos fiquem em primeiro lugar nos resultados de buscadores da marketplace.


Para acessar outros conteúdos como esse e entender mais sobre as tendências de mercado para poder crescer o seu negócio, inscreva-se em nossa comunidade.



Abraços, 


Patricia / @paty_santini



avatar PATRICIA FERNANDES VALENTE SANTINI
Patricia Fernandes Valente Santini
Tentar, aprender e tentar novamente.... Esse é o lema que rege minha vida! Gestora de Projetos Especialista em Gestão de Micro e Pequenas Empresasfavorite_outline Seguir Perfil
capa Novos Negócios
Novos Negócios
people 5314 participantes
Um espaço aberto para trocas de experiências sobre novos negócios. Se você já tem uma ideia de negócio, ou ainda não sabe por onde começar, este é o lugar certo! Aqui, você encontra conteúdos para te ajudar a ter sucesso nesta jornada empreendedora ¿¿
fixo
Em alta
Sebrae Em Dados - Mercado de Produtos Naturais no Brasil
16 ago. 2022Sebrae Em Dados - Mercado de Produtos Naturais no Brasil
Sebrae em Dados - Salões de Beleza
15 out. 2022Sebrae em Dados - Salões de Beleza
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?