Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightNegócios em Turismokeyboard_arrow_rightArtigos

Experiência: moda ou tendência?*

avatar JUNIOR BAGGIO
Junior Baggiofavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt1
Experiência: moda ou tendência?*
1 pessoa curtiu esse artigo
Criado em 19 SET. 2022
text_decreaseformat_color_texttext_increase

Desde que o homem decidiu se reunir em sociedade, alguns aspectos fundamentaram sua organização econômica. Para se alcançar o sucesso, quando esses fundamentos mudam, deve-se mudar também a forma de fazer negócios.


Como humanidade identificamos essa mudança em quatro grandes momentos que estabeleceram novos paradigmas para os negócios que querem ser relevantes:


1ª Era: Economia Agrícola nesta Era, há 10 mil anos, dependíamos da produção agrosilvopastoril. Para dominar a economia era preciso controlar as terras produtivas e a força de trabalho, na época em regime de escravidão.


2ª Era: Economia Industrial Há 200 anos, a Economia Industrial revolucionou os fundamentos dos negócios. O sucesso passou para as mãos de quem controlava a produção em série e detinha poder sobre os meios de transporte à vapor, visando a atender às pessoas que passaram a viver nas cidades emergentes.


3ª Era: Economia de Serviços esta economia teve seu marco histórico no pós-guerra com o advento da Era da Informação [i] e do Conhecimento, quando a conectividade tomou proporções por meio da internet. Não há como ter sucesso nesta economia sem o uso da tecnologia da informação e da adoção de valores intangíveis [ii] apreciados pelos clientes na entrega de serviços de excelência, tais como:

  • introdução de inovações nos produtos e serviços;
  • rapidez nas respostas à vontade do mercado;
  • uso estratégico da informação;
  • visão estratégica do futuro;
  • comercialização de know how do negócio;
  • valorização do posicionamento e da imagem institucional.

4ª Era: Economia da Experiência O argumento central da Economia da Experiência [iii] é que em função do acesso à tecnologia crescente, do aumento da concorrência e do aumento das expectativas dos consumidores, produtos e serviços estão começando a ficar muito parecidos transformando-se em commodities não mais representando fatores de diferenciação.


Percebe-se que o sucesso nos negócios depende da assimilação dos fundamentos de eras econômicas antecessoras e da concentração na era econômica vigente. 


Portanto, na Economia da Experiência não basta entregar um produto de qualidade (economia industrial) e prestar um serviço de excelência (economia de serviços)... tamanha é a concorrência que isso deixa de ser fator de diferenciação no mundo dos negócios.


É necessário levar o consumidor à uma conexão com a empresa por meio de um conjunto de fatores que denominamos experiência de consumo e [...] os negócios que se relegam ao mundo decadente de produtos e serviços irão se tornar irrelevantes. [iv]


Ao invés disso, os negócios de hoje precisam oferecer experiências às pessoas. Tais experiências ultrapassam o simples entretenimento, trata-se sobretudo, de envolver as pessoas [v].


Portanto, a vantagem competitiva neste início de século será daqueles que souberem fazer da experiência do cliente um momento memorável! Nessa baila, aprendendo a dançar a música que toca na Economia da Experiência, os negócios podem recriar-se com o uso de ferramentas, tais como:

  • análise de sua identidade para um posicionamento de mercado original e único
  • preparação de seu storytelling e teatralização dos negócios de olho em seu público
  • planejamento de sensações e vivências no ato de consumo respeitando sua identidade
  • criação de memórias afetivas e conexões viscerais com o cliente

Em resposta à chamada 'experiência: moda ou tendência?' já se pode garantir: sim, a economia da experiência veio para ficar! Apesar de algumas empresas usarem o termo como mero apelo mercadológico sem aplicar em seu negócio os novos fundamentos, já se percebe um grande número de empreendimentos que aprenderam a se conectar visceralmente com seu público.


Então, já é hora de as empresas repensarem a jornada de consumo que oferecem para entregar momentos memoráveis a seu cliente, uma experiência genuína e memorável que valha viver, lembrar, indicar e reviver. O pensamento de Maya Angelou quanto às relações humanas nunca fez tanto sentido para o atual momento dos negócios:


As pessoas podem não lembrar exatamente o que você fez, ou o que você disse, mas elas sempre lembrarão como você as fez sentir.

Maya Angelou


* Adaptado de: BAGGIO, A. J. Economia da Experiência: como encantar seu cliente. Pato Branco, PR: [s.n.], 2012.
Fotografia: Expedição Pico Marins 2021 por Luiz Carlos Piccinin.
[i] DRUCKER, P. F. Administração em tempos de grandes mudanças. São Paulo: Pioneira, 1995.
[ii] RODRIGUEZ Y RODRIGUEZ, M. V. Tecnologia da informação e gestão empresarial. Rio de Janeiro, E-papers, 2000.)

[iii] PINE, J. II; GILMORE, J. The Experience Economy: work is theatre and every business a stageBoston: Harvard Business School Press, 1999.

[iv] PINE, J. II; GILMORE, J. The Experience Economy: work is theatre and every business a stageBoston: Harvard Business School Press, 1999. p. 25 tradução nossa.

[v] PINE, J. II; GILMORE, J. The Experience Economy: work is theatre and every business a stageBoston: Harvard Business School Press, 1999. p. 30 tradução nossa.

avatar JUNIOR BAGGIO
Junior Baggio
Pai, marido, amigo, viajante inveterado e montanhista. Professor, Palestrante e Consultor em Turismo pela Zapping Consultoria, especialista em Experiências de Consumo. Arquiteto e Urbanista, Bacharel em Administração, Tecnólogo em Hotelaria, Especialista em Gestão de Pessoas, Mestre em Ciências Sociais Aplicadas.favorite_outline Seguir Perfil
capa Negócios em Turismo
Negócios em Turismo
people 1290 participantes
Conteúdo relevante, prático e instrutivo, indicando soluções para as empresas e atores ligados aos negócios de turismo e viagem buscarem novos caminhos e superarem a crise.
fixo
Em alta
Experiências turísticas do Paraná
29 nov. 2022Experiências turísticas do Paraná
Origem e importância dos bares
18 nov. 2022Origem e importância dos bares
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?