Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightEmpresas Inovadoraskeyboard_arrow_rightArtigos

ESG: Empresas emissoras dos GEE deveriam preocupar-se com a Governança Climática?

avatar GISELE VICTOR BATISTA
Gisele Victor Batistafavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt1
ESG: Empresas emissoras dos GEE deveriam preocupar-se com a Governança Climática?
1 pessoa curtiu esse artigo
Criado em 27 OUT. 2021
text_decreaseformat_color_texttext_increase

As empresas que possuem seus modelos de negócios baseados nas emissões de gases que intensificam o fenômeno natural do efeito estufa (GEE) deveriam assumir o protagonismo na busca de soluções para mitigação destes problemas ambientais, ao tempo que deveriam caminhar para a descarbonização de seus processos, ou seja, adotar atividades econômicas que geram baixa ou nenhuma emissão de carbono.


Por este motivo, faz-se importante, cada vez mais, que a alta liderança das companhias esteja consciente de que a redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE) deve ser tratada como um assunto estratégico e considerada em todas as decisões do negócio.


Pensar desta forma, revela o compromisso da organização com a governança climática. 


Porém, o desconhecimento sobre o tema dificulta a adoção de ações estratégicas que contribuam para amenizar o aquecimento global, e faz com que as empresas não saibam como abordar os riscos existentes. Muitos relatórios de sustentabilidade ainda chegam aos conselhos sem levar em consideração aspectos ambientais, seja por negligência com o tema, seja pela falta profissionais preparados para analisar os riscos e as oportunidades que as mudanças climáticas geram no curto e longo prazo.


Para reduzir esse problema, muitas empresas estão contratando especialistas em economia de baixo carbono e ESG para o conselho de administração, pois estão preocupadas com a Governança Climática.


Somado a isso, destaca-se a importância das práticas de ESG - Environmental, Social and Corporate Governance | Ambiental, Social e Governança - levando em consideração a implantação de projetos que reduram ou minimizem as emissões dos gases do efeito estufa. As práticas de ESG podem intensificar a pauta da governança climática nas empresas, fomentando o cumprimento de metas ambientais e climáticas em seus processos, produtos e serviços.


Atualmente, para muitas empresas estão incluindo em suas estratégias ações de adaptação aos riscos de mudança climática, visando evitar a litigância climática.


A litigância climática (ou justiça ambiental) aponta para o risco do dano, risco do impacto e o risco da manutenção do próprio negócio.


Assim, a governança climática deve tratar a questão do risco como foco central, dentro da estratégia de cada negócio. E este é um ponto importante, pois se pode abordar o risco da reputação das empresas, dos investidores e instituições financeiras em financiar atividades geradoras de GEE e da degradadoras da natureza, além de revelar o risco relacionado à própria proteção à vida na Terra.


Complementando esta questão, os governos deveriam fomentar políticas de incentivos fiscais e econômicos, para buscar atingir suas ambições, tendo no setor produtivo (privado) um agente de transformação da realidade atual.


Ainda, os investidores deveriam buscar formas de desburocratizar os acessos aos recursos verdes e permitir bonificações aos empreendedores que buscam processos mais limpos, gerando produtos e serviços de valor à sociedade e ao planeta.


Os mercados devem intensificar as barreiras climáticas, como já está acontecendo, forçando a inclusão de práticas que reduzam as emissões dos GEE para relações comercias de baixo carbono.


Os consumidores, também, são parte desse processo, pois o poder de compra pode pressionar as marcas a tornarem-se mais conscientes e preocupadas com as questões climáticas e ambientais.


Devemos agir de forma consciente, colaborativamente, focando na sustentabilidade de maneira integrada, pois os problemas decorrentes das mudanças climáticas são reais e necessitam de ações imediatas.


É fundamental mudarmos a forma de fazer e gerir nossos negócios, buscando práticas que valorizem e intensifiquem a Governança Climática.


Os litígios ajudam a pressionar os investidores, os governos e o mercado a buscarem soluções para este problema, mas as ações judiciais não podem ser a primeira alternativa para resolução dos danos decorrentes das mudanças climáticas.


Você já pensou em implantar práticas sustentáveis e de ESG e Governança Climática em sua empresa?

Poderemos auxiliar sua empresa neste processo!


Atenciosamente,

Dra. Gisele Victor Batista

avatar GISELE VICTOR BATISTA
Gisele Victor Batista
Top 10 LinkedIn Creator | Consultora ESG, Sustentabilidade e Responsabilidade Social | Mentora Liderança Sustentável e Desenvolvimento Humano | Palestrante Mudanças Climáticas, ODS-Agenda 2030 e Capitalismo Consciente.favorite_outline Seguir Perfil
capa Empresas Inovadoras
Empresas Inovadoras
people 1538 participantes
Esse grupo busca apresentar, por meio da inovação, assuntos ligados ao crescimento das micro e pequenas empresas. Fortalecendo assim os ecossistemas de inovação do Brasil. Participe com a gente!
fixo
Em alta
Aumente sua produtividade em cerca de 30% com o uso da Inteligência Artificial. Pergunte-me como!
22 nov. 2023Aumente sua produtividade em cerca de 30% com o uso da Inteligência Artificial. Pergunte-me como!
Determine o futuro da sua empresa
27 jan. 2022Determine o futuro da sua empresa