Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightAmbientes de Inovaçãokeyboard_arrow_rightArtigos

Economia Criativa em alta

avatar WELITON MONTEIRO PERDOMO
Weliton Monteiro Perdomofavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt1
Economia Criativa em alta
1 pessoa curtiu esse artigo
Criado em 27 NOV. 2020
text_decreaseformat_color_texttext_increase

Desenhos, filmes, artesanato, histórias em quadrinhos, peças de teatro mesmo quem não conhece bem o conceito está cercado pela Economia Criativa. As possibilidades são infinitas, e você talvez queira fazer parte desse grande ramo.

 

O que é economia criativa, afinal?

Para entender melhor como ela funciona, vale a pena conhecer o conceito de economia criativa. Existem várias definições, mas todas partem da mesma base: é o conjunto de atividades criativas que, em algum grau, trazem retorno econômico.

No Brasil, em 2012 foi criada a Secretaria de Economia Criativa (hoje extinta), que tinha uma definição interessante de quais setores fazem parte da economia criativa brasileira:

  • Artes cênicas
  • Música
  • Publicidade
  • Artes visuais
  • Artesanato
  • Audiovisual
  • Animação
  • Games
  • Software aplicado à economia criativa
  • Literatura e mercado editorial
  • Design
  • Rádio
  • TV
  • Moda
  • Arquitetura
  • Gastronomia
  • Cultura popular
  • Entretenimento
  • Eventos
  • Turismo cultural

Como você deve ter percebido, há setores que 'se misturam', dependendo do tipo de produto (ex.: arte cênica para entretenimento; ou artesanato inspirado em cultura popular). Além disso, como qualquer atividade econômica, nenhum desses setores funciona totalmente sozinho, pois é preciso ter apoio e estrutura para realizar as atividades (a música precisa de instrumentos, o artesanato precisa de matéria-prima, recursos que não necessariamente vêm de um setor de economia criativa). Há espaço para todo mundo que quiser colaborar, seja criativo ou não.

A Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) de 2010 deu um passo além e classificou as indústrias criativas em quatro eixos: patrimônio (ex.: expressões culturais); artes (ex.: artes visuais e artes dramáticas); mídia (ex.: audiovisual e publicidade) e criações funcionais (ex.: design, novas mídias e serviços criativos). Mais um vez, há intersecções e colaboração entre as indústrias.

 

Criatividade em expansão

Criar, como dissemos acima, demanda recursos, e as possibilidades são várias: editais, leis de incentivo, doações, financiamento coletivo, apoio de investidores, patrocínios e parcerias

A expansão do acesso à internet e, em especial, das redes sociais, ajudou a turbinar a produção e a divulgação de produtos e serviços de economia criativa. Vendas que antigamente eram feitas apenas em feiras ou de porta em porta hoje se concretizam via WhatsApp, Instagram Shop, Mercado Livre. A divulgação propriamente dita também ficou mais fácil graças aos meios digitais.

Há cada vez mais espaço para crescer e fazer a diferença para quem quer mais alegria e criatividade em sua vida.

 

Você faz parte da Economia Criativa? Gostaria de saber mais sobre o tema? Deixe seu comentário! PARTICIPE da Comunidade Ambientes de Inovação 

avatar WELITON MONTEIRO PERDOMO
Weliton Monteiro Perdomo
Coordenador Estadual de Inovação do SEBRAE/PR, mestre em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação.favorite_outline Seguir Perfil
capa Ambientes de Inovação
Ambientes de Inovação
people 1327 participantes
Os ambientes promotores de inovação são ativos de transformação dos ecossistemas. Por isso, criamos aqui um espaço para compartilhar conhecimento e experiências que podem ajudar os empreendedores e heads de inovação. Conecte-se agora e faça parte desta comunidade você também!
fixo
Em alta
O que é Inteligência Artificial?
25 nov. 2023O que é Inteligência Artificial?
Economia Circular: Importância e Desafios
05 dez. 2023Economia Circular: Importância e Desafios
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?