Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightDo Campo à Mesakeyboard_arrow_rightArtigos

Desafios e boas práticas no ALI Rural

avatar AUGUSTO YASUO AKI
Augusto Yasuo Akifavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt
Desafios e boas práticas no ALI Rural
Criado em 16 NOV. 2022
text_decreaseformat_color_texttext_increase

O ALI Rural é mais um gol do Sebrae, chegar até o pequeno produtor rural com ideias de inovação simples, usando linguagem simples e ofertando soluções conforme a maturidade de cada produtor é uma grande sacada.

Mas, como tudo mais na vida, a análise e a reflexão podem ajudar a compreender como poderíamos fazer isso melhor.

Existem alguns desafios a considerar:

A adesão é passiva ao contrário de outras abordagens de produtos Sebrae, no ALI RURAL precisamos caçar e convencer o produtor sobre os benefícios em participar.

Isso se torna um grande desafio, uma vez que o dia a dia do universo da agricultura familiar não permite muito tempo para nada mais que não seja a produção e a venda (muitas vezes de subsistência). 

Tendo que priorizar e administrar sua capacidade de atenção e seu tempo, ele reluta em participar.

A visão sobre a ajuda vai a extremos que não representam a realidade dos programas de apoio a agricultura familiar, por vezes, são acompanhados por atitudes paternalistas. 

Não é assim com o ALI RURAL e por isso, as vezes ele é mal interpretado, ou por alguns produtores acharem que ele fará o trabalho de gestão e vendas da propriedade ou por outros acharem que ele trabalha com coisas sofisticadas demais e de pouco resultado no dia a dia do produtor.

Visão limitada sobre custos, na aplicação do diagnostico RADAR da INOVAÇÂO, quase sempre se apresentam como tema prioritário. Acontece, contudo, que na visão do pequeno produtor, custo é sinônimo de boleto a pagar. 

Ou seja, está totalmente associado as despesas diretas pagas. Não se entende que o processo de manejo influência diretamente o custo, assim como outros pilares da gestão rural.

Sendo assim, no trabalho de mentoria para bolsistas que temos desenvolvido no Paraná, adotamos algumas práticas que ajudam a superar esses obstáculos. 

O grupo de bolsistas é orientado a:

Mostrar ao bolsista, que no universo do engajamento, a menor distância entre 2 pontos não é uma reta. Isso significa que, antes de ofertar a melhor solução a partir de um diagnóstico (falar do COMO), é mais importante conectar o problema ao contexto do produtor e mostrar casos semelhantes (falar do PORQUÊ)

Incluir na pauta básica, PLANO DE MELHORIAS, o uso de dinâmica específica para relacionamento com os produtores que aderiram. Usar quadro vertical de parede para fixar indicadores, diagrama de peixe, Canva e mapa mental. Usar esse mesmo quadro para concentrar a discussão após a cada visita, criando assim um efeito maior de fixação e engajamento.

Encorajar os produtores a adotaram práticas de higienização da sua gestão, pasta AZ, para guarda de boletos a pagar, adotar livro caixa, adotar envelopes para arquivar os recebidos de cada mês.

Levantar sempre índices de produtividade para o segmento do referido produtor para comparação com o número real do produtor, para criar o despertar e a vontade de melhorar.

Estrutura a condução do processo através da estratégia AIDA, ou seja, estruturar a informação provocando primeiro a Atenção, depois o Interesse, então o Desejo e finalmente encaminhando para a Ação. 

A própria organização da construção e da apresentação dos documentos devem seguir essa lógica. O Canva, mapa mental e o diagrama espinha de peixe permitem criar atenção, interesse e desejo. 

O PLANO DE MELHORIAS serve para tangibilizar o COMO, ou seja, remeter para a ação.

Instruir o bolsista sobre os 4 pilares do impacto no custo, para mostrar como podemos reduzi-lo de mais de uma forma, sendo que, a redução do valor de compras não precisa ser o 1º a ser atacado. 

Devemos começar pela melhoria do manejo e, nisso a comparação dos indicadores de desempenho ajudarão, a escalabilidade para propriedade e depois pela agregação de valor, pois esses 2 últimos diminuirão o peso dos custos sobre vendas.

Priorizar o livro caixa em detrimento da implantação do fluxo de caixa. Pois primeiro precisamos instituir a mentalidade de controle e auxiliar na análise de gastos, para depois, com mais maturidade e estrutura, falar da gestão de fluxo de caixa.

Ter no bolso casos de sucesso, de produtores similares, para mostrar que é possível crescer e que está ao alcance daquele produtor.

Tratar a classificação de qualidade como força na agregação de valor e no acesso a novos canais de venda.

Mostrar o processamento de produtos, as embalagens e as mídias sociais como ferramentas de agregação de valor e de fidelização de clientes.

A vida urge e no universo da agricultura familiar tudo é para ontem. 

Se quisermos fazer a diferença temos que saber correr na mesma velocidade, na direção certa e no compasso do produtor!

Augusto Aki  consultor Sebrae

avatar AUGUSTO YASUO AKI
Augusto Yasuo Aki
favorite_outline Seguir Perfil
capa Do Campo à Mesa
Do Campo à Mesa
people 1661 participantes
Você produtor, empresário, técnico e curioso do setor de agronegócios, alimentos e bebidas é nosso convidado especial para fazer parte desse espaço para quem busca conhecimentos sobre tecnologias, inovações, tendências, legislações, ou seja, novidades para o setor/segmento de agronegócios/alimentos e bebidas. Participe! Acesse, escreva e compartilhe artigos, entrevistas, vídeos e orientações.
fixo
Em alta
Dispara pedido de recuperação judicial por produtor rural
07 fev. 2024Dispara pedido de recuperação judicial por produtor rural
Pesquisa revela "imaturidade" no agro no uso de Sistemas de Gestão Pós-Produção
13 mar. 2024Pesquisa revela "imaturidade" no agro no uso de Sistemas de Gestão Pós-Produção
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?