Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightDia a dia do Empresáriokeyboard_arrow_rightArtigos

Competências para potencializar a atividade empresarial

avatar ANA CAROLINE DOS SANTOS BINI
Ana Caroline Dos Santos Binifavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt1
Competências para potencializar a atividade empresarial
1 pessoa curtiu esse artigo
Criado em 14 JAN. 2022
text_decreaseformat_color_texttext_increase

Por favor faça um teste. Pegue uma folha de Papel A4 e uma caneta. Coloque a mão esquerda sobre o papel A4 e circunde a mão com traço da caneta. Feche a mão esquerda. Agora, com a mão esquerda sempre fechada, só abra quando for avisado, faça uma cópia fiel dos traços rugosos da palma da mão esquerda no desenho que está no papel. Pare de ler e tente. Completou o exercício? Se sim, abra a mão esquerda e confira se as rugosidades desenhadas no papel correspondem a de sua mão. Muito provavelmente não. 


Pois é, seguidamente nos deparamos com empresários que centralizam as atividades em si e dizem que conhecem a empresa como a própria mão.


Será que conhecem mesmo? O fato é que a administração moderna prevê departamentalizações e a ocupação de funções com pessoas preparadas para elas. Com competências profissionais para exercer a função, muito provavelmente, estas pessoas sabem sobre a atividade mais do que o empresário que não precisa, necessariamente, ser o dono da sapiência suprema.


Trabalhar em time é um passo evolutivo para uma empresa alcançar outros patamares.


E este trabalho começa a partir do momento em que empresário derruba vaidades e passa a contar com pessoas melhores do que ele, ao seu lado, para o enfrentamento dos desafios cotidianos. Assim, com a descentralização, será possível a empresa manter-se competitiva e crescer, mesmo sem a presença do empresário. Há casos, inclusive com a pandemia, que o empresário fica doente e, com ele, a empresa também entra em sérias dificuldades, quando não fecha as portas. Afinal o negócio só depende dele.



Mas como ter pessoas preparadas ao seu lado? Usando o Sistema de Gestão Pelas Competências que analisa o conhecimento básico para a função (Saberes), a habilidade necessária para função (O que deve saber fazer na prática) e a atitude para exercer com excelência o posto (Comportamentos esperados). Definindo, claramente, o CHA (Conhecimento Habilidade e Atitude) é possível ter um entendimento prévio, mais claro e objetivo, do profissional que a empresa precisa. Assim, no momento de recrutar e, especialmente ao selecionar, a empresa buscará profissionais adequados ao que precisa. E não o que é muito comum: contrata por contratar por indicação, por amizade e, ai, a empresa tem de se adequar a falta de preparo do contratado, o que pode ser o início do fim.



Empresas que têm Gestão Pelas Competências aplicadas se diferenciam e se desenvolvem. 


Elas fazem análise pelas competências ao contratar e, também, anualmente, avaliam onde cada profissional está indo melhor e onde deixa a desejar. Mas de onde vem a base comparativa? Antes de selecionar ou avaliar alguém, os gestores da empresa, com o apoio do time, traçam o perfil ideal para aquela função, como já evidenciamos, em conhecimento, habilidade e atitude. Então há o perfil ideal descrito e a comparação dele com o desempenho de quem está chegando ou já está em atividades. Tendo esta base comparativa é possível selecionar melhor e, para quem está na casa, definir o que este profissional deve evoluir para atender as estratégias evolutivas do negócio.


Dentro dos programas de Gestão da Qualidade é possível desenvolver um bom organograma que define as funções e seus ocupantes e, em cima de cada função estabelecida, devem ser descritas as competências necessárias. Uma empresa que não tem qualquer cuidado com as competências para o bom exercício das atividades geralmente acaba, sem querer, contratando gente meia boca. E que tipo de resultados elas tendem a entregar? Mediano ou inferior a isso. Mas contratar um profissional bom é caro? Será que é caro mesmo? O que é caro? Caro é não resolver a necessidade da empresa para ser mais competitiva e lucrativa. Não são poucos os casos de trocarem um profissional por três e o desempenho piorar. 


Você deve ter um time que esteja preparado para o que sua empresa precisa e resolva os desafios cotidianos sem tanta dependência. Empresa que fica se adaptando as deficiências de cada profissional que nela está atuando acaba estagnando ou sucumbindo. Pense e mude. Os benefícios diretos quem colherá é você e a lucratividade de seu negócio tende a ser outra.


Siga a comunidade Dia a Dia e compartilhe esse texto para que mais pessoas consumam e compartilhem conteúdos e conhecimentos!

avatar ANA CAROLINE DOS SANTOS BINI
Ana Caroline Dos Santos Bini
Especialista em Gestão da Inovação | Assistente Sebrae PR - Reg. Centrofavorite_outline Seguir Perfil
capa Dia a dia do Empresário
Dia a dia do Empresário
people 761 participantes
Comunidade digital que reúne conteúdo prático sobre o DIA A DIA DO EMPRESÁRIO de Micro e Pequena Empresa.
fixo
Em alta
4 pequenos negócios rurais lucrativos para 2023
14 dez. 20224 pequenos negócios rurais lucrativos para 2023
Guarulhos se destaca na geração de empregos no Brasil
03 nov. 2023Guarulhos se destaca na geração de empregos no Brasil