Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightAmbientes de Inovaçãokeyboard_arrow_rightArtigos

Aspectos a serem considerados no desenvolvimento dos ambientes de inovação

avatar IZOULET LIMA MOREIRA CORTES FILHO
Izoulet Lima Moreira Cortes Filhofavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt
Aspectos a serem considerados no desenvolvimento dos ambientes de inovação
Criado em 21 MAI. 2020
text_decreaseformat_color_texttext_increase

A inovação, conforme visto nos textos anteriores, está conectada a um contexto em que se busca competitividade. Assim, um dos fatores mais importantes, se não o mais importante é a criação de valor.

Há a necessidade em observar fatores estratégicos e de competitividade e, nesse ponto, a obra de Michael Porter ganha relevância, independente das críticas ao autor ou sua obra, em que destacam-se, não necessariamente em ordem ou topologia: Estratégia Competitiva, As Cinco Forças de Porter, a Vantagem Competitiva das Nações, o Diamante de Porter e os Clusters.

Os Clusters compõe parte da base conceitual importante para a abordagem do desenvolvimento territorial (regional) e, consequentemente, dos ambientes produtivos no Brasil, que sedimentou-se forjada pela abordagem dos Arranjos Produtivos Locais - APLs e que, inclusive, parecem ter perdido espaço ou interesse em discussões para outros temas mais atuais, como as startups fato que, inclusive, merece aprofundamento analítico. Os APLs trazem dois aspectos fundamentais: Território e Atividade Produtiva.

As estratégias competitivas (genéricas) de Porter definem abordagens em três fatores apontados com fundamentais pelo autor: Custo, Diferenciação e Foco. Sinteticamente, custo pode ser percebido no resultado da busca da eficiência produtiva; diferenciação vem na linha de atributos na percepção de valor e, finalmente foco, é o direcionamento de esforços naquilo que se faz, em direção à excelência.

A vantagem competitiva: O autor definiu as tipologias em que corporações (e países) podem estabelecer vantagem competitiva em relação aos demais, baseadas em menor custo e diferenciação. Propôs na obra A Vantagem Competitiva das Nações (1989) o crescimento da produtividade como elemento central. A territorialidade faz parte dessa discussão. E deve-se lembrar das vantagens comparativas, propostas anteriormente por David Ricardo, traduzível, entre outros fatores, pelo custo de oportunidade. A ideia de vantagem comparativa contrapunha um elemento preliminar do modelo capitalista proposto por Adam Smith, a vantagem absoluta.

Decorrem outros elementos importantes a serem considerados no desenvolvimento dos ambientes de inovação: O diamante de Porter (proposto em a Vantagem Competitiva das Nações) e as Cinco Forças de Porter (vistos em Como as cinco forças competitivas molda a estratégia, de 1979).

O diamante é um modelo proposto que busca o porquê as entidades dentro de um determinado sistema (país, no caso de Porter) podem obter mais sucesso (vantagem competitiva) em relação a entidades em outros sistemas (vantagem comparativa). Leva em conta quatro atributos determinantes: Estratégias, estrutura e rivalidade de empresas; Condições dos fatores (de produção, das empresas); Setores correlatos e de Apoio; Condições da demanda. Também relaciona dois grupos de aspectos complementares: O Acaso (forças ou fenômenos externos não controláveis) e o Governo.

As Cinco Forças de Porter influenciam e moldam a estratégia competitiva das empresas: Ameaças de novos entrantes; Ameaças de produtos Substitutos; Poder de barganha dos fornecedores; Poder de barganha dos clientes; Rivalidade dos concorrentes.

E, por fim, mas não menos importante está o modelo de cadeia de valor proposta por Porter, que pode ser entendido como um conjunto de atividades desempenhadas pelas empresas e organizações ao longo de todo o processo corporativo, desde a produção até a entrega. Compõe-se de atividades primárias e secundárias. As atividades primárias são: A logística interna ou de entrada, operações, logística interna ou de saída, marketing e vendas serviços. Já as atividades secundárias são: Infraestrutura organizacional, gestão de recursos humanos, desenvolvimento de tecnologia e aquisição. As atividades primárias e secundárias são expressas em termos gerais, quando é importante serem observadas características e especificidades das atividades a serem potencializadas no ambiente. Ao final encontra-se a margem estabelecida sobre a entrega (produto ou serviços) que o mercado está disposto a pagar.

Ao considerar o desenvolvimento dos ambientes de inovação faz-se importante observar esses fatores em torno da competitividade perpassando pelo desenvolvimento de valor. Esse pode vir de duas formas: Criação de novas cadeias de valor ou ampliação de valor adicional nas cadeias existentes.

Para assegurar a efetiva criação de valor no ambiente, seja em novas cadeias ou em extensão às já existentes, em três níveis. No primeiro nível estão as ações transversais a serem observados e desenvolvidos: Marco Legal e clima de negócios, infraestrutura necessária assim como as condições disponíveis, a ampliação do uso ou adoção dos bens e/ou serviços no centro dessas cadeias de valor, as atividades de pesquisa e desenvolvimento. Enquanto que no segundo nível encontra-se a necessidade de desenvolvimento de capacidades específicas. No terceiro nível está efetivamente a ativação das cadeias de valor mais complexas, novas ou em extensão das existentes.

Um aspecto importante final, nem sempre observado, é a necessidade de institucionalização, em sentido amplo, envolvendo os comportamentos e práticas necessárias à implementação de ações e estratégias para o alcance dos objetivos estabelecidos mirando o alcance da visão posta. Desses aspectos de institucionalização encontra-se a governança, ato de governar, no sentido amplo, o sistema que, junto de ecossistema, com correspondência conceitual na mesma direção daqueles sistemas biológicos, compõe a amplitude institucional de um sistema de inovação em um ambiente. Ambos conceitos são percebidos frequentemente no construto verbal das entidades componentes desses habitats de inovação na atualidade e que, aqui, encerram buscando dar sentido e ritmo a um repertório de aspectos necessários a serem observados no desenho desses ambientes.

avatar IZOULET LIMA MOREIRA CORTES FILHO
Izoulet Lima Moreira Cortes Filho
Administrador de empresas, com habilitao em comrcio exterior, Ps-Graduado em Poltica, Estratgia e Planejamento e Mestrando em Propriedade Intelectual e Transferncia de Tecnologia. Atuante h 20 anos no ambiente tecnolgico em favor da inovaofavorite_outline Seguir Perfil
capa Ambientes de Inovação
Ambientes de Inovação
people 1325 participantes
Os ambientes promotores de inovação são ativos de transformação dos ecossistemas. Por isso, criamos aqui um espaço para compartilhar conhecimento e experiências que podem ajudar os empreendedores e heads de inovação. Conecte-se agora e faça parte desta comunidade você também!
fixo
Em alta
O que é Inteligência Artificial?
25 nov. 2023O que é Inteligência Artificial?
Economia Circular: Importância e Desafios
05 dez. 2023Economia Circular: Importância e Desafios
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?