Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightAmbientes de Inovaçãokeyboard_arrow_rightArtigos

Aplicação da LGPD às informações coletadas pela Administração Pública

avatar DANIELLA CAVALLI CAGGIANO
Daniella Cavalli Caggianofavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt1
Aplicação da LGPD às informações coletadas pela Administração Pública
1 pessoa curtiu esse artigo
Criado em 06 OUT. 2021
text_decreaseformat_color_texttext_increase

 

A Lei Geral de Proteção de Dados (Lei n. 13/709/2018), conhecida como LGPD, trata-se de um novo e grande marco legal do Direito brasileiro. Isso porque, ela visa regular e proteger o tratamento feito aos dados pessoais dos indivíduos perante as empresas públicas e privadas. Em vista disso, ela traz princípios, direitos e obrigações relacionados ao uso de um ou mais ativos valiosos da sociedade digital, referente à base de dados de pessoas.

A LGPD foi promulgada no dia 14 de agosto de 2018 e entrou em vigor 18 de setembro de 2020. Isso ocorreu após o Senado Federal decidir pelo não acolhimento de um dos artigos da Medida Provisória 959/2020, o qual, determinava o adiamento da entrada em vigor da Lei para janeiro de 2021.

Dessa forma, com a entrada em vigor da Lei, todas as empresas, sejam elas públicas ou privadas, devem se adequar à normativa legal. Assim, tais empresas devem conferir às pessoas acesso à informação sobre os dados que estão sendo coletados, armazenados e tratados pelas pessoas jurídicas sob pena de responsabilidade civil e multa administrativa.

Transparência Administrativa X Sigilo de Informações

Sabe-se que a Receita Federal do Brasil utiliza de um aparato tecnológico extremamente moderno para realizar o cruzamento de informações dos contribuintes de forma instantânea.

É o que ocorre com relação à alfândega, que realiza o reconhecimento facial das pessoas na entrada e saída internacional. Os dados coletados a partir daí são tratados sem que as pessoas tenham ciência disso.

Enquanto o sujeito permanece na fila da alfândega, a máquina providencia seu reconhecimento, bem como já cruza todas as informações da pessoa. Dentre essas informações estão: a quantidade e o tipo da bagagem despachada nos voos de ida e volta; a declaração do imposto de renda; gastos com o cartão de crédito ocorrido (e isso não caracteriza quebra de sigilo bancário pelo STJ); histórico de viagens do passageiro; além de outras informações sigilosas que não foram divulgadas pela Receita.

Com essas informações, o sistema da Receita Federal avisa ao fiscal quais são as pessoas que devem ser paradas no aeroporto.

Importante ressaltar que a RF não informa quais são os dados cruzados e nem os critérios do cruzamento de tais informações. A justificativa para isso é de que a ausência de sigilo abriria margem para fraudes.

Dessa forma, tem-se um problema passível de reflexão: até que ponto, de acordo com a LGPD, o poder público é obrigado a dar transparência aos critérios de cruzamento, coleta, tratamento de dados do contribuinte sem comprometer a efetividade na fiscalização?


Aplicação da LGPD pela Administração Pública

O Artigo 18 da LGPD, determina que o titular dos dados pessoais tem direito a obter do controlador (a Pessoa Jurídica), a qualquer momento:

  • a confirmação da existência de tratamento;
  • acesso aos dados;
  • correção de dados incompletos, inexatos ou desatualizados;
  • anonimização, bloqueio ou eliminação de dados desnecessários, excessivos ou tratados em desconformidade com o disposto nesta Lei;
  • a eliminação dos dados pessoais tratados com o consentimento do titular;
  • a informação das entidades públicas e privadas com as quais o controlador realizou uso compartilhado de dados;
  • a informação sobre a possibilidade de não fornecer consentimento e sobre as consequências da negativa; entre outros.

E, o Artigo 23 determina que:

o tratamento de dados pessoais pelas pessoas jurídicas de direito público [...]  deverá ser realizado para o atendimento de sua finalidade pública, na persecução do interesse público, com o objetivo de executar as competências legais ou cumprir as atribuições legais do serviço público, desde que sejam informadas as hipóteses em que realizam o tratamento de dados pessoais, fornecendo informações claras e atualizadas sobre a previsão legal, a finalidade, os procedimentos e as práticas utilizadas para a execução dessas atividades, em veículos de fácil acesso, preferencialmente em seus sítios eletrônicos.

Dessa forma, verifica-se a existência de um problema. De um lado, a LGPD determina a transparência dos dados pessoais coletados pela Receita Federal. De outro lado, constata-se que, se a Administração Pública cumprir a lei de forma literal, abrirá brechas para possíveis fraudes fiscais. Isso, por sua vez, pode incapacitar todo o aparato público fiscalizatório, de forma a prejudicar a arrecadação aos cofres públicos.

Para dirimir tal problema faz-se, de forma analógica, uma ressalva à exceção legal quanto à possibilidade de tratamento de dados sem o consentimento da pessoa. Isso ocorre nos casos em que haja a necessidade de cumprimento legal ou cumprimento regulatório do controlador. Há, ainda, a possibilidade de a administração pública editar portarias e regulamentos acerca do tratamento dos dados sem o consentimento do contribuinte.

Contudo, a fim de que a administração pública não tenha carta branca para regulamentar as exceções legais a seu bel prazer, de forma a violar o direito fundamental à proteção dos dados, deve-se prezar pela necessidade do ente em justificar a importância da exceção à regra geral do dever de informação.

Não obstante, até o presente momento não há doutrina e nem jurisprudência tratando do tema. Assim, essa situação traz muita insegurança jurídica, principalmente àquele o qual a lei visa proteger.

 


PARTICIPE da Comunidade Ambientes de Inovação para acessar esse e muitos outros conteúdos sobre para Inovação.

Gostou? Siga a autora! Curta o artigo e indique para amigos/as!

avatar DANIELLA CAVALLI CAGGIANO
Daniella Cavalli Caggiano
Graduada em Direito pelo Centro Universitrio Curitiba - Faculdade de Direito de Curitiba, Ps-graduada em Direito Penal Econmico pela Universidade Positivo.favorite_outline Seguir Perfil
capa Ambientes de Inovação
Ambientes de Inovação
people 1336 participantes
Os ambientes promotores de inovação são ativos de transformação dos ecossistemas. Por isso, criamos aqui um espaço para compartilhar conhecimento e experiências que podem ajudar os empreendedores e heads de inovação. Conecte-se agora e faça parte desta comunidade você também!
fixo
Em alta
O que é Inteligência Artificial?
25 nov. 2023O que é Inteligência Artificial?
Economia Circular: Importância e Desafios
05 dez. 2023Economia Circular: Importância e Desafios
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?