Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightNovos Negócioskeyboard_arrow_rightArtigos

A Melhor Gestão Empresarial no seu Negócio!

avatar SALVADOR SERRATO
Salvador Serratofavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt1
A Melhor Gestão Empresarial no seu Negócio!
1 pessoa curtiu esse artigo
Criado em 05 MAI. 2023
text_decreaseformat_color_texttext_increase

Com ampla experiência e conhecimento nas áreas de Gestão Empresarial, Empreendedorismo, Cooperativismo e Associativismo, atuando como palestrante, consultor, jornalista e facilitador de cursos, vou apresentar aqui dicas relevantes para a gestão do seu negócio.

 

A maior preocupação em uma empresa deve ser o trânsito dos recursos financeiros! Afinal, o empresário investiu ou investirá suas economias, seu patrimônio e quer que os recursos sejam aplicados corretamente para que o negócio prospere e ofereça o melhor retorno para o capital empregado.


As PMEs (Pequenas e Médias Empresas), em sua maioria, têm problemas com gestão do fluxo financeiro. Nem todo empresário tem familiaridade com finanças. Muitas vezes surgem imprevistos, os gastos saem do controle e o empresário tem que buscar recursos/financiamentos no sistema, ou seja, nos bancos, e pagar juros muito altos por eles. Esse cenário poderia ser evitado ou reduzido se tivesse havido um planejamento, um plano de negócio."


Vou listar algumas questões, observações ou considerações vivenciadas no balcão e em eventos, com o objetivo de direcionar os empresários e empresárias na trilha para reduzir os riscos do seu negócio e do patrimônio pessoal.


  1. Regularize a sua empresa. Acredite, você ampliará as possibilidades do seu negócio.

  2. Como está o planejamento do negócio para o futuro? (amanhã, semana que vem, mês que vem, ano que vem). Mensure e conheça os valores: quanto custa para a empresa existir, quais são as despesas fixas e variáveis, o que se pretende colocar na prateleira. Corra, você precisa saber onde deseja chegar. É preciso registrar suas intenções empresariais, para que se possa acompanhar os resultados, validar ou rever as ações necessárias, enfim, o que se deseja como empresário/a.

  3. O caixa da empresa não é o bolso do empresário (a). Deve-se separar as contas da pessoa física das contas da pessoa jurídica! Pois usar uma para cobrir a outra vai dificultar a tarefa de organizar a gestão financeira da empresa, comprometendo e desconhecendo os resultados do negócio.

  1. Qual a composição do capital do negócio? Conhecer e monitorar essa disponibilidade é fundamental, pois será a ferramenta mais importante para estruturar a empresa e trabalhar para conquistar os melhores resultados.

  2. Que controles financeiros você utiliza? Considere o que existe e o que poderá ser implantado sobre: estoques, contas a pagar, contas a receber, conta corrente, despesas fixas, despesas variáveis, fluxo de caixa, balanço, balancete, DRE.

  3. Conhece o resultado? É lucro ou prejuízo? A elaboração das peças financeiras contábeis, como Balanço e Demonstração de Resultados, mostram o atual momento do negócio. É preciso conhecer e controlar o gerenciamento de resultados, seja lucro ou prejuízo.

  4. Quantos fornecedores você tem? E clientes? O cuidado deve ser grande, pois depender de um único fornecedor ou cliente é uma relação perigosa, pois a desistência de um ou de outro poderá levar a empresa ao fechamento. É sempre seguro ter, no mínimo, três fornecedores de cada item e um número infinito de clientes.

  5. Será que os recursos financeiros (capital de giro) são suficientes para pagar as contas da empresa? Identificando todas as contas fixas mensais, sabe-se por quanto tempo teremos recursos para manter a empresa em atividade sem vendas. Revisá-las ajudará a manter a estrutura enxuta, adequada às necessidades do negócio.

  6. A empresa tem muitos recursos a receber e a pagar? Qual o perfil desses recursos, como duplicatas, cartões e cheques, e quais os prazos? Será que os pagamentos e recebimentos estão em calendários (prazos) diferentes da regra "recebo no presente, pago no futuro"? Ou será que a empresa está concedendo prazos que não deveria ou recebendo pouco prazo dos seus fornecedores? É preciso adotar a estratégia do negócio para um fluxo de caixa saudável.

  1. E o estoque está lotado, em excesso? Parado, índice baixo? São recursos imobilizados, com grandes possibilidades de prejuízo. Avalie muito bem o que oferecer ao mercado. Faça um controle detalhado sobre o giro do seu estoque.

  2. O estoque está sobrecarregado! E agora? A maioria das empresas apura este diagnóstico tardiamente, pela ausência de controle do giro dos estoques. É hora de fazer uma análise detalhada e pensar em soluções imediatas, tais como: colocar certos itens em promoção, rever a composição da prateleira e cancelar a compra de itens estagnados ou de baixo giro.

  3. As vendas estão acontecendo de acordo com as projeções? Se não, rapidamente identificar o porquê isso está acontecendo e as ações imediatas a serem tomadas para retomar as vendas. É preciso estar atento aos números, isso ajudará a prevenir possíveis crises, antes mesmo que elas aconteçam, com ações corretivas, seja em marketing, na revisão da composição dos produtos, mercadorias ou serviços, política financeira, política de prazos, entre outras.


 

No trabalho de reestruturação de controles, replanejamento, novos investimentos, mensurar números, enfim, oferecer e obter uma nova visão estratégica dos negócios, para todos os segmentos, proponho 4 sugestões ou orientações:

A. Faça um plano de contas, tenha uma contabilidade atualizada, com a orientação do profissional contábil.

O primeiro passo é lançar cada gasto da empresa em um plano de contas específico. Crie um plano para cada área da empresa, como operacional, marketing, folha de pagamento, papelaria e limpeza.

Com isso, será possível organizar e estabelecer o orçamento necessário a cada uma dessas atividades a cada mês e ao longo do ano.

Essas despesas serão separadas em duas categorias: as fixas e as variáveis. Assim, quando o empresário precisar investir ou economizar, saberá onde é possível cortar custos sem prejudicar as operações do negócio.

B. Crie indicadores de desempenho

A tática para acompanhar o desempenho da empresa é criar mais uma ferramenta de gestão, os indicadores de desempenho. Eles são divididos em duas áreas: estratégica e operacional.


Para medir o desempenho operacional, o empresário deve listar todas as atividades do dia a dia, como vendas, compras, pagamentos e recebimentos. Esses dados devem ser checados todos os dias. Já os indicadores estratégicos acompanham as atividades mais amplas, como vendas totais, a rotatividade da empresa, o giro do estoque e o nível de endividamento. São geralmente analisados uma vez por mês, para medir a saúde do negócio.


É importante cruzar esses números. Se o indicador operacional mostrar que o fluxo de caixa não foi bom em uma ou duas semanas, o empresário pode verificar o indicador estratégico para saber se esse desempenho é preocupante e em que medida afeta a empresa.

Quando um deles mostrar um problema, o plano de contas ajudará a solucioná-lo e indicará os números para as decisões de correções.

 

C. Controle o fluxo de caixa

O fluxo de caixa reflete o trânsito dos recursos financeiros de uma empresa. Não raro, ocorre o caixa negativo, o que não significa que o negócio vai mal, apenas que os prazos de recebimentos e pagamentos não estão alinhados.

Constatado que os prazos de compras e vendas estão incompatíveis, o empresário precisa reorganizar sua política de vendas, reduzindo os prazos e ainda negociar a ampliação nos prazos de pagamentos. A conciliação entre pagamentos e recebimentos irá refletir a radiografia da disponibilidade financeira da empresa: folga ou ausência de caixa.

D. Planejar os empréstimos

Se a empresa não consegue conciliar os pagamentos com os recebimentos, acaba recorrendo a operações bancárias de captação, seja empréstimos ou antecipações de recebíveis para honrar suas obrigações. São justamente as maiores taxas de juros, afetando os resultados da empresa.

A melhor técnica é adotar o planejamento financeiro, praticando políticas de prazos de contas a pagar e a receber, projetando fôlego financeiro para pagar empréstimos planejados sem comprometer o desempenho do resultado da empresa.

Regra de ouro: receber no presente, pagar no futuro.


SALVADOR SERRATO Abr 2023   11 99616-4732

avatar SALVADOR SERRATO
Salvador Serrato
Jornalista, Consultor Snior, Palestrante, Facilitador e Docente em temas que envolvem: Gesto Empresarial (Administrao, Finanas, Contabilidade), Governana Corporativa, Empreendedorismo, Associativismo e Cooperativismo de Crdito.favorite_outline Seguir Perfil
capa Novos Negócios
Novos Negócios
people 5327 participantes
Um espaço aberto para trocas de experiências sobre novos negócios. Se você já tem uma ideia de negócio, ou ainda não sabe por onde começar, este é o lugar certo! Aqui, você encontra conteúdos para te ajudar a ter sucesso nesta jornada empreendedora ¿¿
fixo
Em alta
Sebrae Em Dados - Mercado de Produtos Naturais no Brasil
16 ago. 2022Sebrae Em Dados - Mercado de Produtos Naturais no Brasil
Sebrae em Dados - Salões de Beleza
15 out. 2022Sebrae em Dados - Salões de Beleza
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?