Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightEmpresas Inovadoraskeyboard_arrow_rightArtigos

A Jornada da Startup Emerging Giants

avatar ROBSON APARECIDO DEL FIOL
Robson Aparecido Del Fiolfavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt
A Jornada da Startup Emerging Giants
Criado em 11 DEZ. 2020
text_decreaseformat_color_texttext_increase

Não basta ser genial para conquistar o sucesso: integrar a inovação com elementos de planejamento e execução é o que garante bons resultados para empreendedores digitais

Está enganado quem tem a mítica ideia de que fundadores de startups são pessoas, absurdamente geniais, com criações totalmente inovadoras e que transformam totalmente o mundo.

Esse elemento pode ser real, mas, apenas uma fração da realidade. As startups de sucesso têm pontos em comum, mas atingir o sucesso depende da superação de uma série de variáveis. 

O primeiro ponto a ser considerado é que figuras famosas por terem criado negócios desse tipo não trabalham sozinhos. Eles podem até ter uma ideia bastante original, mas é a integração da inovação com elementos de planejamento e execução que tornam alguns, empreendedores digitais, mais reconhecidos que outros. E já adianto que as estatísticas não são animadoras.  

Segundo o estudo Causa da mortalidade das startups brasileiras: como aumentar as chances de sobrevivência no mercado, conduzido pela Fundação Dom Cabral, 25% das startups não completam 1 ano, 50% não passam 4 anos de operação no mercado e 75% dos negócios fecham antes de completar 13 anos. 

Além disso, de acordo com a plataforma CB Insights, 42% das startups fracassam por não terem identificado uma necessidade do mercado, 29% não atingem os resultados esperados por ficarem sem recursos financeiros para investir, 23% dos negócios não tinham equipe necessária ao desenvolvimento e 17% ofertaram um produto fraco. 

Importante destacar que, aqueles empreendedores que querem obter sucesso na criação de startups realmente relevantes precisam seguir uma jornada, extremamente árdua, e não, necessariamente, gloriosa. 

Basicamente, essa trajetória começa com uma ideia, que deve evoluir para uma fase de testes com poucos recursos financeiros(conhecido como bootstrapping).

Com a validação há um produto mínimo viável com integração de fundadores e investimentos de familiares e amigos de R$ 50 mil a R$ 500 mil, que evolui para o fase de lançamento. Com o crescimento, valida-se ou não o Product Market Fit, considerada como a convergência entre viabilidade técnica, economica e tamanho do mercado suficente para suportar taxas elevadas de crescimento.

Neste momento, é normal, após a validação do Product Market Fit, a curva de crescimento ser acelerada e tendendo a exponencialidade, o que atrai investidores de capital de risco. 

Seguindo a jornada, tem-se a formação do Emerging Giant, quando a empresa apresenta um crescimento regional/internacional e uma base ampla e crescente de clientes pagantes. Aqui já há geração de receitas mais robustas e uma verificação de Life Time Value (LTV) mais que saudável, ou seja, uma relação entre tempo e retorno oferecido por cada cliente pagante. 

Após captações robustas com os fundos de investimento de Venture Capital, as empresas podem evoluir e atingir finalmente a fase Corporation, quando têm milhares de funcionários, passam a ser auditadas, apresentar relatórios periódicos a investidores e exige-se uma discussão madura sobre as opções de exit dos investidores. Aqui é que normalmente elas buscam se aproximar de investidores estratégicos (futuros M&A) e abertura de capital (IPOs). 

Hoje, no Brasil e em todo o mundo, há basicamente dois tipos de empreendedores: os que atuam por necessidade ou oportunidade. Contudo, quem empreende por oportunidade no mercado de tecnologia, acaba criando algo relevante, normalmente, ao atacar grandes problemas da sociedade e inspirados em causas, sejam elas sociais, ambientais, de mobilidade, finanças, saúde, educação ou qualquer outro setor carente de uma atuação mais rápida e versátil no processo de oferta e prestação de serviços. 

Retomando a discussão inicial deste artigo, a ideia mítica de empreendedores altamente criativos, que obtêm sucesso apenas com uma ideia, é absolutamente descolada da realidade. Este é apenas o primeiro passo, que precisa, obrigatoriamente, ser seguido por vários outros apresentados neste texto. 

Em todas as etapas é necessário o foco na execução passo a passo para que a empresa em criação possa aprender com seus erros e crescer com os acertos e seja bem sucedida e realmente transforme a sociedade.

Isso só ocorrerá, no entanto, se a criação buscar por  disrupção, agilidade e algo realmente relevante à sociedade. Seguindo as etapas detalhadas anteriormente, estou certo de que os empreendedores estarão em melhor posição para melhorar as estatísticas de sucesso das startups brasileiras e se tornarão muito mais relevantes. 

por Robson Del Fiol

Artigo publicado originalmente no IT Forum 365.

 

avatar ROBSON APARECIDO DEL FIOL
Robson Aparecido Del Fiol
favorite_outline Seguir Perfil
capa Empresas Inovadoras
Empresas Inovadoras
people 1487 participantes
Esse grupo busca apresentar, por meio da inovação, assuntos ligados ao crescimento das micro e pequenas empresas. Fortalecendo assim os ecossistemas de inovação do Brasil. Participe com a gente!
fixo
Em alta
Aumente sua produtividade em cerca de 30% com o uso da Inteligência Artificial. Pergunte-me como!
22 nov. 2023Aumente sua produtividade em cerca de 30% com o uso da Inteligência Artificial. Pergunte-me como!
Determine o futuro da sua empresa
27 jan. 2022Determine o futuro da sua empresa
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?