Logo Comunidade Sebrae
Home
bedtime
Imagen da logo do Sebrae
icone menu de opções
Iníciokeyboard_arrow_rightDo Campo à Mesakeyboard_arrow_rightArtigos

A História da Agricultura Paranaense Parte 1

avatar EDUARDO BARROZO PRUGNER
Eduardo Barrozo Prugnerfavorite_outline Seguir perfil
fixo
thumb_up_alt
A História da Agricultura Paranaense  Parte 1
Criado em 06 JUL. 2021
text_decreaseformat_color_texttext_increase

Um Paraná que não existia

Estamos no início do século XV, o Brasil recém-descoberto pelos portugueses, estava começando a ser colonizado. São Vicente é a primeira vila criada, em 1532. As expedições partidas desta pequena vila, vão buscar novas terras, novas riquezas.  Em 1549, a região de Paranaguá já era conhecida e em 1578 já era uma pequena povoação. Em 1648 torna-se oficialmente município.  

Em 1640, Gabriel de Lara anuncia a descoberta de ouro na região. A extração do ouro, primeiro local aurífero do Brasil muda a história da região com a presença de aventureiros que buscavam a riqueza e, também foram avançando pelas regiões interioranas. Capitania de Paranaguá é criada e tempo depois a Capitania de São Paulo, abrangendo uma grande região, denominada 5ª. Comarca de São Paulo, com sede em Paranaguá. Posteriormente transferida para Vila de Curitiba (1812).

Construindo o Paraná 

No período de subordinação a São Paulo, e ao mesmo tempo da descoberta de ouro na região de Minas Gerais, acabou com a circulação de riqueza na 5ª. Comarca, deixando a população paranaense em completa penúria, com problemas de alimentação, saúde e educação.  Foram feitas diversas tentativas de emancipação, para corrigir o problema, mas  alegação da Coroa Portuguesa, era sempre a mesma, não tinha recursos de autosustentabilidade.

As plantações, no segundo planalto da erva-mate, uma erva nativa na região, motiva os moradores de Curitiba a construírem engenhos de beneficiamento do mate. Em 1853 o Paraná possuía quase uma centena desses engenhos, proporcionando a exportação do mate para os países do Prata  (Argentina e Uruguai) e para o Chile. A população desses países passou a ser grandes consumidores desse produto.

Os grandes benefícios econômicos da erva-mate

O crescimento econômico no Paraná gerado pelo cultivo da erva-mate foi importantíssimo não só pela criação da Província do Paraná, mas  também pelo desenvolvimento da indústria, do surgimento da classe média paranaense e da modernização da infraestrutura com a construção da Estrada da Graciosa (1873) e da Ferrovia Curitiba Paranaguá (1885).

Foi um período também que surgiram diversas cidades, na época vilas, como Castro, Ponta Grossa, Lapa, Palmeira e Jaguariaíva, graças a presença dos tropeiros. Há também neste período, o crescimento populacional com a vinda dos imigrantes para substituir a mão de obra dos escravos. Registros falam em mais de 100 mil imigrantes que chegaram ao Paraná, entre poloneses, italianos, ucranianos, russos, alemães e outros (Rolemberg). A influência da erva-mate na economia paranaense vai até 1920.

A exploração da madeira e a expansão do território paranaense

Os imigrantes não só vão dedicar-se no cultivo da erva-mate, como na exploração da madeira. A medida que vão cortando as árvores e comercializando os troncos, vão adentrando pelo interior e expandindo o território paranaense. Estabelecendo-se em pequenas propriedades, cultivando a agricultura de consumo criam vilas que posteriormente se transformam em importantes cidades.

Com a exploração da madeira surge serrarias a vapor, que começam a comercializar e exportar tábuas, principalmente, de Pinho e Imbuia, tanto para o mercado interno como nas exportações. Na segunda guerra mundial, a madeira de Pinho liderou as exportações paranaense.           

As serrarias fabricavam barricas para a erva-mate, palitos de fósforo, palhões para garrafas e móveis. A intensificação da exploração da madeira, chamou a atenção de empresas estrangeiras que além de participarem diretamente na construção da estrada de ferro, começaram a comercializar terras para os imigrantes e exploradores da madeira que iam avançando para o interior paranaense. A exploração foi tão grande que dizimou as florestas do Paraná.             

O gosto pela agricultura e início de sua expansão

Paralelamente ao cultivo do mate e da exploração da madeira na importância da economia do Paraná,  houve o desenvolvimento dos primórdios da indústria, que marcam até hoje produtos made in Paraná como é o caso da indústria moveleira.

Mas o gosto pela terra, principalmente pela presença dos imigrantes. Eles se dedicavam à agricultura caseira, teriam introduzido a modernização agrícola (para época),  sementes e o cultivo de novas plantas usavam em sua alimentação. Esse amor vai transformar nos dias de hoje em: o Paraná, no celeiro do Brasil e hoje do mundo.

Os tropeiros 

Eram comerciantes de gado e de mulas (meio de transporte muito usado), surgido em 1731 e que se encerra em 1870. Aproveitaram os antigos caminhos percorridos pelos indígenas Guaranis. Saiam do Rio Grande do Sul e iam até Sorocaba, em São Paulo. No Paraná o caminho ficou conhecido pelo Caminho de Peabiru. 

Os tropeiros criaram pousadas (roças) onde descansavam, assim como os animais. Nessas roças plantavam milho, feijão e trigo, que usavam para seu sustento e comida para os animais. Essas pousadas, traziam novas pessoas, criando vilas próximas às roças e vieram a se transformar em cidades.       Esses comerciantes também, por conta própria, faziam o papel de correios,  e comercializavam produtos regionais de um lugar para outro.  Tiveram grande papel no gosto pelo campo.  

 

EPrugner.

 

                                                                

 

avatar EDUARDO BARROZO PRUGNER
Eduardo Barrozo Prugner
favorite_outline Seguir Perfil
capa Do Campo à Mesa
Do Campo à Mesa
people 1644 participantes
Você produtor, empresário, técnico e curioso do setor de agronegócios, alimentos e bebidas é nosso convidado especial para fazer parte desse espaço para quem busca conhecimentos sobre tecnologias, inovações, tendências, legislações, ou seja, novidades para o setor/segmento de agronegócios/alimentos e bebidas. Participe! Acesse, escreva e compartilhe artigos, entrevistas, vídeos e orientações.
fixo
Em alta
Dispara pedido de recuperação judicial por produtor rural
07 fev. 2024Dispara pedido de recuperação judicial por produtor rural
Como o ERP pode ajudar no setor de alimentos
29 mar. 2023Como o ERP pode ajudar no setor de alimentos
Para ver o conteúdo completo, bastase cadastrar, é gratis 😉
Já possui uma conta?